sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Dica do Blog

Artic Mokeys cantando "You Know That I'm no Good", da Amy Winehouse.

Simplemente genial.

Malas&Mulas 2008

Clichês, clichês, mas esse blog também curte uma listinha escrachada. Então, esse final de ano não poderíamos passar em branco. Vamos começar com os Malas & Mulas de 2008, uma seleção única e exclusivamente MINHA de personalidades, fatos e eventos que torraram o saco até de quem não tem durante o ano que passou.

Atenção: Essa lista é completamente parcial. Se você não concorda, a caixa de comentários serve para isso.

Mala do ano na TV: Dona Irene, claro! Vai se burra assim na PQP! E olha que eu nem vejo novela. mas a personagem da Glória Menezes é, de longe, um dos mais chatos, imbecis e idiotas que já existiu na história da teledramaturgia brasileira.

Mula do ano na TV: Para a fantástica fusão do grupo Fontini em A Favorita que só falta chamar os telespectadores de imbecis! Tem quem ser muito idiota mesmo pra retratar uma fusão de duas mega companhias como se fosse um acordo de troca de figurinhas! Fiquei sabendo que Setúbal e Moreira Salles estão doidos pra contratar a Flora!

Mula mór na TV: Novela/Série/Bizarrice Mutantes – Caminho do Coração. Com menção honrosa para o brilhante nome da nova série da Record “A Lei e o Crime”. Não basta clonar a Globo, é preciso plagiar a TV americana também. Pra PQP...

Mula Hollywoodiana: para o Batman Cristhian Bale, que confundiu a mãe com a mulher gato e saiu dando tapas.

Mula brasiliana: Para Luana Piovani e Dado Dolabella, novas estrelas da Luta Livre Brasileira.

Mula do ano nos negócios (Brasil): Ahahah, fácil essa, não? O pequeno geniozinho que transformou o Opprtunity em um império conseguiu cagar e andar e foi condenado há dez anos de prisão. Palmas para Daniel Dantas!

Mula do ano nos negócios (Intercional): Para todos que deram seu dinheiro para Bernard Madoff.

Mula do ano no Direito: Para o ego infinito do presidente do STJ, Gilmar Mendes, pelos dois habeas corpus concedidos para o banqueiro FDP, DD. Aqui, vale a menção honrosa para todo o STJ pela fantástica e imbecil decisão da demarcação contínua da reserva Raposa do Sol. O Brasil é para os índios, vamos todos embora daqui! Começando, preferencialmente, pelos nossos maravilhosos ministros.

Mula do ano na cartolagem futebolística: Para Marco Aurélio Cunha e sua grandiosa intervenção na negociação do caso Eloá.

Mala no automobilismo: Rubinho perdedor Barrichello

Mala do ano no futebol (técnico): Renato Gaucho e sua brincadeira com o Fluminense no Campeonato Brasileiro

Mala do ano no futebol (jogador): Alex Mineiro, e sua justificativa extremamente são paulina ao deixar o Palmeiras.

Mula do ano no futebol: Ronaldo e as travecas!

Mula em Ação de marketing esportiva: A campanha “Vira-casaca” do São Paulo Futebol Clube. Ficaria melhor se fosse “vira-boiola”...

Mula Olímpica: para o imbecil que decidiu fazer uma dublagem na abertura das Olimpíadas porque a menina cantora era feia.

Mala no jornalismo: A série de reportagem sobre bombeiros que o “jornalismo verdade” da Record fez para promover o lançamento da novela Chamas da Vida.

Mala do ano na política nacional: Celso Amorim e a subserviência do Brasil às fanfarronices de Chávez, Kiko, Chiquinha & Cia.

Mula do ano na política nacional: A brilhante definição do nosso amado presidente sobre a marolinha que está sendo a maior crise econômica e financeira do mundo desde a Grande Depressão.

Mala do ano na política (internacional): Chávez, Chávez, Chávez... Todos atentos olhando pra TV (para seus milhões de pronunciamentos em cadeia nacional, é claro).

Mula do ano na política (internacional): Sarah Palin, imbatível e insuperável (com menção honrosa para Silvio Berlusconi, que gosta de líderes “bronzeados”).

Mula solidária: Levam a melhor os voluntários malandrinhos de Santa Catarina.

Mala&Mula do ano na música e em tudo: Malu Magalhães, ÓBVIO! Também merece o prêmio de pior corte de cabelo do universo! A adolescente riquinha que sonha em ser pobre, morar na praça da Sé junto com um gato e seu amante (Marcelo Camelo) leva o prêmio pelas suas entrevistas pseudo-intelectuais com palavras selecionadas a dedo no dicionário, que soam bonita mas cujo conteúdo tem a profundidade de uma gota d’água em cima de uma esponja. Destaque para seu visual sujinho, muito semelhante ao dos mendigos do centro de São Paulo (só espero que alguém tenha avisado para a chata que moradores de rua não sabem falar inglês, não ganham violão do papai e nem tem computador com internet para postar musiquinhas no My Space). Essa geração Trakinas...


Lembro de mais alguém que merece o Troféu? Posta ai nos comentários.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Você Sabia? (especial de Natal)

... Que a vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena?
... Que as pessoas boas devem amar seus inimigos?
... Que nesta vila estão proibidos os animais e as crianças pequenas?
... Que aqui tem suco de limão que parece laranja mas tem gosto de Tamarindo?
... Que isso, isso, isso?

Quase passou...

... mas não esqueci.
Fica aqui, a justa homenagem ao São Paulo futebol clube, tri, hexa e jamais hétero campeão brasileiro de 2008:


Veja

Para quem gosta de fotografia, clique aqui e veja a melhores de 2008. Tanto dos momentos maravilhosos, quanto dos chocantes.

Sensacional.
Só fica a alerta: caso seja sensível, não clique nas imagens com fundo preto. É horripilante.

(dica do Blog É Cada Coisa!)

Presente

(com informações do Blog do Noblat)

Informação relevante I

Dos 181 países que fazem parte da Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil é o ÚNICO que paga salários aos vereadores.

Informação relevante II

O Senado aprovou a proposta para aumento no número de vereadores, mas rejeitou a parte que condicionava o aumento no número de vagas à diminuição no repasse de 5% para 2% da receita líquida dos municípios para manutenção das Câmaras de Vereadores.

Conclusão: O Papai Noel já soltou a boquinha para não se convocado para a CPI! Isso é que é presente de Natal para os políticos, e de GREGO para a população Brasileira.

Haja saco para enfiar tudo isso dentro!

Ho-ho-ho-ho-ho!

Do Blog do Anselmo:

CPI do Natal
Do deputado gaiato Gustavo Fruet fazendo piada com a obsessão das CPIs em convocar autoridades para depor:

- Na quarta-feira que vem, vamos convocar para ser ouvido o Papai Noel, porque temos pesquisas que indicam que uma parcela das crianças não acreditam na sua existência.

Comentário do Blog: Que bom que algum político conseguiu finalmente perceber o grande circo que são as CPIs. O espírito é essse mesmo, Fruet. E digo mais: as renas também deveriam ser convidadas para a depor, uma vez que elas são testemunhas de todas as ações do bon velhinho.

O único problema nessa história toda é que, do jeito que nossos políticos são aparecidos, é capaz de ficarem horas e horas entrevistando o Papai Noel (ao vivo pela TV Câmara) para propositalmente, se apossarem do saco de presentes e dividirem tudo entre eles, deixando o resto do mundo sem as lembrancinhas natalinas.

Duvida?

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Essas meninas

Do Blog da dona Camila Orantes, vulgo Christine:

- Por favor, eu queria fazer um pedido. Vc tem açai em rodelas ? (a banana era em rodelas)
- Moço, quanto custou tudo ?
- Treze reias e dez centavos.
- Oh Tici, quer "trozo" pra quanto ??? (era o troco)
- Vc viu a novela ontem ??? O "Figueirinha" falou pra Flora ... (Figueirinha era o Silveirinha)
- Mas vc viu a cena do prefeito ??? A Grace achou a chave da Dedina em cima da cama do Damião (era o brinco)
- Olha só como eles entregam as coisas !!! Um potinho em cima do outro, mega equilibrado !!! Parece uma torre de pastel !!! (era torre de babel)

Ressaca de sono é pior que a de bebida !
Conclusão: é muito melhor beber do que ficar sem dormir !

Conclusão do Blog (aliás, duas!):
É por isso que eu sempre digo que não confio em alguém que não beba álcool!
E é por essas e outras que eu amo essa loira, aquariana, maluca, sem noção e ÓTIMA amiga que é a dona Camila.

Esperto

Meninos, se preparem.

Segundo reportagem publicada na revista The Economist, edição de 4 de dezembro, a qualidade do esperma depende da inteligência do homem. Segundo o estudo Intelligence, de Rosalind Arden, do King's College de Londres, inteligência é sexy e garante melhores célular reprodutivas.

Nota do blog: Isso não é novidade, claro.

Todo mulher sabe que corpinho sem conteúdo, só se for pra usar e jogar fora.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

X-Cadeia

Do G1

Um jovem de Vero Beach, na Flórida, enfrentará na Justiça acusações de violência doméstica depois de atacar sua namorada com um cheeseburguer.

O boletim de ocorrência diz que o homem de 22 anos e sua namorada brigaram quando estavam no carro, em frente à casa onde moram.

Ele não queria deixar que ela saísse do veículo e, então, os dois partiram para a agressão. A namorada jogou bebida dentro do carro. O homem reagiu, pegando ela pelo braço e esfregando cheeseburguer em sua cara.

Os dois saíram do veículo e o namorado mais uma vez esfregou o lanche do McDonald’s no rosto de sua namorada. O jovem foi detido. Ele conseguiu a liberdade na quarta-feira (3), após pagar fiança de US$ 1 mil (cerca de R$ 2,5 mil), mas ainda responderá pela agressão na Justiça.

Artigo - Tipinhos esquisitos

Por Fábio Barros*

Final de ano é época de festas, descontração e homenagens. Como ferrenho defensor das tradições natalinas, achei que seria legal se este último artigo do ano homenageasse algumas pessoas que tornam nosso dia-a-dia tão mais animado e feliz: os supimpas clientes das assessorias de imprensa.

A homenagem, no entanto, não vai para os clientes medianos. Uma ocasião especial como esta merece que falemos de pessoas especiais, que moram nos corações de cada um dos assessores de imprensa deste País: os tipinhos esquisitos que povoam os departamentos de comunicação, os departamentos de marketing, as diretorias, as vice-presidências e as presidências das empresas deste Brasil varonil.

Alguns deles podem ser de difícil identificação, por isso sua classificação vai acompanhada de uma frase que o caracterize bem e, para ninguém dizer que não ouço os dois lados, alguns comentários que bem poderiam ser feitos por seus fiéis assessores de imprensa.

Clássico
“A entrevista foi boa, mas eu quero aprovar a matéria antes de o jornalista publicar”.
Não quer não. Não quer porque entrevista você dá, não empresta. Não quer porque isso não existe. Não quer porque você não é editor. Não quer porque você não é o dono do jornal (e muitos deles não lêem as matérias antes de publicadas). Não quer porque matéria não é anúncio que precisa de aprovação e não quer porque você deveria ter o mínimo de informações necessárias para ter segurança sobre as coisas que diz quando dá entrevistas.

Tio Patinhas
“Quanto custa para publicar este release na Veja?”
Olha, no seu caso vai custar uns bons muitos anos de aprendizado, mas para facilitar, toma aqui o e-mail e o telefone do editor-chefe. Liga lá e fala direto com ele.

Obediente
“Eu mesmo não vejo utilidade em assessoria de imprensa. Só tenho uma porque a matriz exige”.
Você deveria obedecê-los também quando eles exigem que a empresa apareça em pelo menos 10 matérias por mês e se dispor a dar entrevistas, ao invés de ficar aí reclamando. Depois descobre que seu cargo está balançando e vai exigir dar entrevista pra Deus e o mundo só para descolar outro emprego.

Vendedor
“Olha, nunca fiz uma venda que tivesse sido gerada por matéria em jornal”.
Se é assim, você devia deixar de jogar dinheiro fora. Dispensa a assessoria, que não tem mesmo a função de vender produto, e contrata logo um ou dois vendedores.

Chique
“É duro esse negócio de ficar pagando almoço para jornalista que almoça mortadela todo dia”.
Tem razão. Imagina então para o jornalista, que tem de passar horas ouvindo você e seus gerentes falando de assuntos absolutamente sem interesse, só por causa do almoço.

Samaritano
“Acho que vocês fecharam contrato comigo só por interesse comercial”
É verdade. Vamos fazer assim então: eu fecho minha assessoria e fundo uma ONG para prestação de serviços assistencialistas de imprensa, desde que você também passe a atender os seus clientes sem qualquer interesse comercial.

Comunitário
“Não gostei do resultado desta ação. Nenhum amigo meu viu a matéria”.
Ah, mas você tinha que ter explicados os objetivos antes. Da próxima vez distribuímos o release usando as vendedoras da Avon que atendem o seu bairro.

Familiar
“Você consegue umas 20 dessas para eu levar para casa?”
Consigo sim, fácil, fácil. Algumas editoras, inclusive, estão criando um serviço gratuito de distribuição de exemplares somente para as fontes fotografadas pela revista. Se você preferir, me passa o mailing da sua família e eles entregam nas casas deles.

Invejoso
“Por que a matéria tem foto do concorrente e não tem nenhuma minha?”
Apesar de todas as key messages definidas para sua empresa terem sido citadas na matéria, e de forma positiva, esta falha imperdoável do jornalista acabou com todo nosso esforço. Só me ocorre um motivo: estética. Já lhe ocorreu que, no processo de evolução natural da espécie humana, os progenitores de seu concorrente podem tê-lo agraciado com genes melhores que os seus?

Amigo do rei
“Vou ligar pro dono da rádio e dizer para ele mandar o repórter vir aqui me entrevistar”.
Melhor que isso. Compra a rádio de uma vez e fala nela o dia todo, assim não tem chance de erro.

Precavido
“Por que eu não fui avisado de que esta matéria seria publicada hoje?”
Porque você não trabalha no jornal. Porque o editor não fornece a agenda de publicações dele para as assessorias. Porque eu sou assessor e não secretário de redação da publicação. Porque você recebe periodicamente um relatório onde, além desta, estão todas as outras matérias sobre sua empresa e ele serve exatamente para que você possa vê-las todas de uma vez, sem ter de me ligar todos os dias.

Milagreiro
“Agora que temos uma assessoria, quando começamos a aparecer na imprensa”.
Olha, como eu sou jornalista e não o Espírito Santo, vai ser difícil fazer surgirem do nada matérias sobre sua empresa. As chances de você aparecer aumentam razoavelmente à medida que você me forneça informações consistentes sobre seu negócio e seu mercado.

Exclusivo
“Por que o jornalista não quis fazer a entrevista pessoalmente?”
Provavelmente porque ele tem 47 entrevistas para fazer as 15 matérias que ele tem que entregar ainda hoje. Mas isso não justifica, né? Deve ser má vontade mesmo.

Inseguro
“Será que ele entendeu direitinho tudo o que eu disse?”
Você entendeu e eu entendi, agora, o jornalista, não sei não. Sabe, o veículo para o qual ele trabalha tem o péssimo hábito de contratar pessoas com déficit de atenção e dislexia. Raramente eles entendem as entrevistas que fazem. Aliás, nem sei como conseguem publicar uma edição depois da outra.

Momentâneo
“A imprensa está informada do momento maravilhoso pelo qual minha empresa está passando?”
Que está, está. O que está difícil de informar para eles é que você não aceita o ‘pouco’ espaço que tem recebido porque não percebe que o mundo vai além de sua empresa e que todos os dias acontecem coisas que, embora você não ache, merecem muito mais destaque e análises do que o maravilhoso momento de sua companhia.

Grato
“Vou ligar para o jornalista para agradecer a matéria”.
Não faça isso, ele vai acabar achando que fez alguma coisa errada.Estes são alguns dos tipinhos esquisitos dos quais me lembrei (sim, são todos reais). Quem se lembrar de outros (sim, há muitos mais), inclua nos comentários e aumente nossa galeria.

Comentário do Blog:
Não sei que é o Fábio Barros autor dessa pérola, mas eu assino embaixo sem tirar nem por!!!!

Piada pronta e burra

Do Filtro:

Universidades privadas querem proibir divulgação de avaliações
Formado por um grupo de instituições privadas de ensino superior, um dos tantos lobbies no Congresso está tentando impedir a divulgação pública de dados das suas avaliações por parte do Ministério da Educação. A Frente Parlamentar em Defesa do Ensino Privado, constituída por mais de 170 deputados e senadores, articula um projeto de lei para alterar o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes), que obriga a publicação, entre outros indicadores, do Conceito Preliminar de Curso (CPC) e do Índice Geral de Cursos (IGC). Não por coincidência, a maioria das particulares vai mal nesses indicadores, informa o Estadão. Afinal, qual seria o motivo para as universidades particulares tentarem barrar a apresentação de seus dados senão o de esconder as deficiências?



Comentário do Blog:
Não sei se rio, choro ou mudo de país. É impressionante como no Brasil todos são pequenos ditadores tentando controlar as informações! O mais irônico de tudo isso é que, com o nível de educação medieval brasileiro, nossos adorados e honoráveis representantes se mobilizem para criar um dispositivo que joga mais sujeira em baixo do tapete, quando a situação deveria ser exatamente ao contrário.

Mas não, imagina, nós pagamos uma fortuna para nossos representantes chutarem ainda mais o balde e ferrar cada vez mais com nossa já medíocre situação social. E ainda tem gente que tem a cara de pau de achar que o governo sabe o que é melhor para todos, quando no máximo, eles sabem o que é bom para os bolsos deles e de seus financiadores de campanha e olhe lá

E depois as pessoas reclamam quando dizem que isso aqui é o país da piada pronta. Piada burra, diga-se de passagem, porque nem para ter um senso de humor refinado prestamos, já que qualquer coisa que exija um QI acima de 90 se torna inteligível para a maioria da população.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

O menor conto de fadas do mundo

Era uma vez uma LINDA moça que perguntou a um lindo rapaz:
- Você quer casar comigo?
E ele respondeu:
- NÃO!!!!

E a moça viveu feliz para sempre!Foi viajar, vivia fazendo compras, tinha roupas, sapatos e bolsas maravilhosas, conheceu muuuuitossss outros rapazes, visitou muitos lugares, foi morar na praia, trocou de carro, redecorou sua casa.Sempre estava sorrindo, de bom humor e com a pele boa, pois não tinha sogra, não tinha que aguentar mau humor de homem, não tinha que lavar, passar, nunca lhe faltava nada, bebia champanhe com as amigas sempre que estava com vontade e ninguém mandava nela.

O rapaz ficou barrigudo, careca, a bunda murchou, ficou sozinho e pobre, pois nenhum homem constrói nada sem uma MULHER.

Pérolas dos clientes

Essa foi uma das mais toscas do ano.

A assessora manda um e-mail para a cliente após divulgar o release da tradicional festa de ano novo do local X.

"Prezada Fulana,

Já divulgamos o release sobre a festa de ano novo para a imprensa. Você teria algumas fotos para podermos ter em mão, caso algum jornalista solicite?"

Resposta:

"Cicrana,

A festa ainda não aconteceu."

Réplica da assessora:

"Fulana,

Não são as fotos da festa desse ano que eu preciso, mas imagens de outras festas de ano novo que já ocorreram ai. É possível me mandar?

Grata."

A Pergunta que não quer calar: É ou não é de cair o cú da bunda?

Fabricando dinheiro, destruindo riqueza

Do Blog do Rodrigo Constantino

“The great inflations of our age are not acts of God. They are man-made or, to say it bluntly, government-made. They are the offshoots of doctrines that ascribe to governments the magic power of creating wealth out of nothing and of making people happy by raising the ‘national income’.” (Mises)

Em As Aventuras de Jonas, O Ingênuo, Ken Schoolland explica, de forma divertida e simples, inúmeros princípios da liberdade. Por mais incrível que isso possa parecer, o livro, escrito para crianças, é uma fonte muito melhor para aprender noções básicas de economia do que artigos de certos economistas com Prêmio Nobel. O foco na lógica dos argumentos é muito mais importante que o apelo à autoridade.

Um caso típico está na questão do dinheiro e a origem da inflação. Um macro-economista como Paul Krugman, por exemplo, recomenda o déficit fiscal do governo como meio para estimular a economia e, portanto, a produção de riqueza. Imprimir dinheiro para gastar seria uma forma de aquecer o consumo e, por tabela, aumentar a produção e o emprego. A carroça vem na frente dos bois, puxando-os!

Mas Jonas, o garoto ingênuo que se perde numa ilha, faz perguntas incômodas. Ele pergunta coisas bem simples, que renomados e premiados economistas preferem simplesmente ignorar.Quando Jonas escuta um ruído de máquinas que parecem uma impressora, ele fica animado, pensando se tratar de um jornal. No entanto, ele acaba descobrindo que o barulho vem da Casa da Moeda. Sua imediata decepção é porque ele pensava estar diante de uma impressora de considerável importância, responsável por divulgar notícias relevantes sobre a cidade. Mas o casal nativo explica que aquela é a impressora mais importante da ilha, pois pertence ao órgão responsável pela felicidade de muitas pessoas.

As impressoras trabalham para imprimir montanhas de dinheiro, para fazer as pessoas felizes. Jonas parece achar aquilo uma grande idéia. Ora, se ele pudesse imprimir algum dinheiro... Mas ele logo é interrompido, e o casal explica que isso é impossível. Qualquer um que tente imprimir dinheiro sem ter sido incumbido disso pelo governo é considerado um “falsificador”, e é jogado atrás das grades. Esses “salafrários” não são tolerados na cidade. Eis a explicação deles: “Quando falsificadores imprimem dinheiro e gastam-no, o dinheiro deles invade as ruas e tira o valor do dinheiro das outras pessoas. Qualquer pobre alma que tenha uma renda fixa de salário, poupança ou aposentadoria iria logo constatar que seu dinheiro perdeu valor”.

Mas, naturalmente, Jonas ficou confuso. Ele disse: “Pensei que o senhor havia dito que imprimir montanhas de dinheiro torna as pessoas felizes”. O casal foi forçado a concordar, mas frisou que apenas a impressão oficial de dinheiro era capaz de fazê-las felizes. O casal explicou que no caso de papel impresso oficialmente, chamavam de “financiamento do déficit”, e que ele era parte de um “elaborado e sofisticado plano de gastos”. Se o dinheiro for oficial, então os responsáveis por sua impressão não são ladrões. Na verdade, os que gastam esse dinheiro são os membros do governo, pessoas generosas que “gastam o dinheiro em projetos para as pessoas leais que gentilmente votam neles”.

Jonas tinha apenas mais uma pergunta: “O que acontece com os salários, as economias e as aposentadorias de todo mundo? Vocês tinham dito que o valor do dinheiro diminui quando mais dinheiro é impresso. Isso também acontece quando é o governo que imprime o dinheiro? E todos ficam satisfeitos com isso?” O casal respondeu que sim, que todos ficavam felizes quando o governo gastava dinheiro com eles, pois haviam muitas necessidades, e que os governantes eram muito escrupulosos em sua busca das origens dos problemas na ilha.

O clima e o azar, por exemplo, eram as principais causas de suas dificuldades. Eram eles os responsáveis pelo aumento dos preços e queda do padrão de vida. Sem falar dos estrangeiros! Os inimigos externos eram um grande infortúnio para os moradores da ilha, pois vendiam produtos com preços altos, prejudicando os negócios na ilha, e com preços baixos também, tirando os empregos locais. Para proteger os moradores da ilha desses estrangeiros havia os sábios do governo. Eles eram capazes de decidir o que é bom para o povo.

A conversa teve que ser interrompida, pois o casal estava com pressa para ir encontrar o gerente de investimentos no banco. É que eles não queriam perder a oportunidade da onda de entusiasmo com os negócios de compra de terras e metais preciosos. O homem disse: “Coitados dos pobres que não aproveitaram o boom como nós aproveitamos!” E Jonas foi embora sem compreender direito porque as pessoas ficavam felizes quando o governo imprimia dinheiro, mas porque ninguém mais poderia fazer o mesmo.

A questão, eu creio, não foi bem explicada por nenhum dos mais famosos macro-economistas até hoje, incluindo o mais recente Prêmio Nobel, Paul Krugman. Por que razão mesmo é bom para a economia e a felicidade das pessoas – especialmente os mais pobres – quando o governo resolve imprimir dinheiro de papel? E por que exatamente a mesma lógica não se aplica quando os “falsificadores” resolvem imprimir um papel igual? Algum Nobel de economia poderia responder?

Comida na Cadeia

Do Blog do Anselmo Gois

A Câmara vota hoje, é sério, projeto do deputado Eliene Lima (PP-MT) que determina a contratação de um médico e um nutricionista nos presídios brasileiros para elaboração de... "cardápios balanceados para os presos".
O deputado Jair Bolsonaro, do mesmo partido de Eliene, organiza uma brigada para derrubar o projeto.

No caso...
O PP de Eliene deve ser Partido... dos Presidiários.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Ele pode

Eu tenho entradas para o teatro.
Dr. House querendo ver Dr. Cuddy pelada

Todo mundo mente.
Dr. House sobre todo mundo

Preciso ir - o prédio está cheio de pessoas doentes. Se correr, talvez consiga evitá-los.
Dr. House sobre o hospital

Se você fala com Deus você é religioso; se Deus fala com você, você é esquizofrênico!!!
House sobre seus pacientes religiosos

Obrigada!
Drª.Cuddy depois que o Dr. House apertou sua bunda

Eu sou o diretor do departamento de doenças infecciosas, com dupla especialização em doenças infecciosas e nefrologia. Eu também sou o único doutor empregado nesse hospital que é obrigado a estar aqui contra sua vontade. Mas sem preocupações, afinal a maioria de vocês poderia ser tratado por um macaco com um frasco de analgésicos. E por falar nisso, vocês talvez vejam eu tomando comprimidos. É Vicodin, é meu, não é para vocês. E eu não tenho um problema com administração de dor, e sim um problema com dor. Mas quem sabe? Talvez eu esteja errado. Talvez eu esteja doidão demais para saber. Então, quem quer ser atendido por mim?
Dr. House sobre uma sala cheia de pacientes a serem atendidos

Você tem um parasita dentro de você.
Dr. House sobre grávida

Ela me largou depois que eu perdi meus últimos 40 kg, falou que tinha menos de mim pra ela amar!
Dr. House sobre gordo afim da Cameron

Aprendi a ser medico com Patch Adams.
House irônico

Seu cabelo faz você parecer uma prostituta. Eu gosto.
House sobre Dra. Cameron de cabelos loiros

Ela tem Deus dentro dela, seria mais fácil se tivesse um tumor.
House sobre uma paciente freira

Ele está morrendo.
House sobre a maioria de seus pacientes

Fora de moda

Sexta-feira, por volta das 00h30, estou eu descendo com a Anaísa a rua Augusta sentido Consolação. Como não rolou a roda de samba na Livraria Cultura, resolvemos conhecer o Boteco do Malandro, novo point da Augusta (por sinal, o lugar é muito bacana e arejado, raridade por aquelas bandas. O único problema são os garçons, que são saidinhos. Nesse caso, evite sentar no balcão e está tudo ok. Mas vamos voltar ao assunto do post inicial).

Quando estávamos passando por aquele ponto da Augusta onde se muvucam milhares de minis-indies e emos fumando como babacas e melando suas franjas sujas com quilos de óleos, eis que tem um grupelho com umas cinco pivetas. Ai, eu escuto a pérola. Uma poser para a outra:

- Você é hetero? Credoooooooo!


Credo mesmo. Ninguém merece ouvir uma aberração destas.

Pérolas dos jornalistas: O Início

Vamos falar sério: follows toscos, respostas mais idiotas ainda. Tá na hora de desmistificar o papo de que só assessor fala bobagem ao telefone. E é por isso que esse post nasce (e se multiplicará sempre que algum coleguinha de redação fale alguma bobagem sem tamanho ou tenha uma atitude, no mínimo, fora dos padrões "jornalísticos".

E vamos lá!

A assessora faz uma notinha e manda para a jornalista. Em seguida, liga para fazer o follow.

- Oi Fulana, tudo bem? Recebeu a sugestão que eu te mandei?
- Ah recebi. Mas queria te dizer que quem faz os tijolinhos somos nós.
- É claro. Isso que eu enviei foi apenas uma sugestão.
- Tá, mas quem faz o texto sou eu, tá? Sou eu!!!

Duas observações:
Ainda bem que é a repórter quem faz o texto, né? Reescrever o texto é o mínimo que se espera de quem ganha para fazer isso.
Além de tudo, ALGUÉM FALOU QUE ERA PARA ELA COPIAR E COLAR O QUE FOI ENVIADO PELA ASSESSORIA?

Tem gente que fica tão na neura achando que todo assessor quer dominar o mundo que esquece do óbvio: prestar atenção na conversa.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

p.s.

É quase meia noite e meia e duas coisas me atormentam. Por partes: acabei de chegar do show da Ana “cara de conteúdo” bacana, no Studio SP. Som bacana, voz legal, mas faltou liga na coisa. Sabe aquele show que você olha pra cantora e acha a performance dela totalmente falsa? E essa sensação só aumentava quando eu olhava para o lado e via aquele salão cheia de pessoas com cara de conteúdo, fingindo que estavam achando o máximo um show em que ninguém sabia as letras das músicas, ninguém dançava e ninguém fazia, além de olhara para o palco com aquele ar blasé que só chatos de calça xadrez, cabelo esquisito, cara de sujo e all-star sabem fazer. Ok, isso pode soar elitista e com cara de patricinha de balada da Vila Olímpia. Mas eu não entendo porque diabos as pessoas precisam se fantasiar de intelectuais para verem um show de música. É só música, cantar, dançar, entrar na onda, meditar, o que seja... ninguém deixa de ser inteligente se não parecer inteligente. Estilo não tem nada a ver com QI, carambolas. Mas voltando ao show... música muito bacana, mas eu confesso: minha cabeça estava no Parque Antártica e eu estava completamente fissurada para saber o resultado do jogo.

1x0 Palmeiras, com gol de pênalti.

PFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF...

Devia ter sido mais bacana e ter ficado curtindo a Ana.
--

O segundo tormento: sim, agora, já em casa, ouvindo músicas. Por que diabos Sweet Child of mine me soa tão brega, sem criatividade, previsível, sem sal nem açúcar, lerdo quase parando? Tudo bem, não tenho mais 12 anos, incorporei muita coisa bacana ao meu repertório musical, mas essa é uma música que eu cresci ouvindo, me lembra muita coisa bacana, faz parte de uma parte da minha vida! Deveria ser igual Beatles, que eu escuto mil vezes e amo sempre (ta bom, ok, eu forcei a barra, nada se compara ao trio de Liverpol. Vamos lá, REM ta legal). Enfim, eu não deveria ouvir Guns e ter vontade de comer uma maça. Cansei de pirar o cabeção em bailinhos na minha terra ouvindo o solo de guitarra mais grudento do universo e sempre achei super divertido. Por isso, tanto tédio só pode ser uma coisa, ao meu ver: tédio daquilo que a música me faz recordar...
--

Esse ano não to muito escrevinhadora. Deve ser porque minha vida ta essa coisa adulta chata. Eu trabalho, pago contas, vou pra academia, limpo a casa, cozinho, separo as roupas para levar para a lavanderia, leio as notícias do dia/semana, vou ao cabeleireiro e à manicure, encontro o namorado no final de semana, saímos com os amigos ou ficamos em casa vendo filme, vamos ao supermercado, assistimos e comentamos o jogo de futebol... nada além da mesmice de uma vidinha medíocre de classe média. Sou feliz medianamente e sigo a vida assim. Quando a inspiração voltar, estaremos na ativa novamente. Enquanto isso, é torcer para que apareça algum tormento musical/intelectual noturno, para que isso não fique às moscas.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Arena do Mumu X Arena do Palmeiras


É só comparar para ver quem é palmeirense e quem é aproveitador.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

E lá se ai nosso dinheiro

Do O Filtro:

Saída de Rachid reforça PT na Receita Federal, diz Folha

A demissão de Jorge Rachid, que estava no comando da Receita Federal desde o início do governo Lula, abre espaço para um maior controle petista sobre o órgão, segundo reportagem da Folha (para assinantes). A nomeação de Lina Vieira foi articulada pelo secretário-executivo da Fazenda, o petista Nelson Machado, incumbido pelo ministro Guido Mantega a dar as cartas na Receita, vista pelo PT como muito autônoma durante a gestão de Rachid. Mantega já vinha tentando derrubar o ex-secretário desde 2003, quando assessores de Rachid foram acusados de negociar mudanças na legislação tributária para favorecer empresas, como revelou a revista ÉPOCA.

Momento Fofoca

Ficou curioso porque o Valdívia, que não vinha jogando nada, de repente, desencantou no Campeonato Brasileiro?

O Bisbilhotagem explica.

É o efeito "Pequim".

Ainda não entendeu?

Então acompanhe no Lance!, a cobertura das Olimpíadas de Pequim.

Enquanto uma certa correspondente se ocupar com os jogos, os palmeirenses podem respirar aliviados.

Mago continuará jogando bem.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

É o cúmulo

Não bastasse a idéia "genial" de transformar a Frei Caneca numa rua GLTB, eis o que recebo na pauta do dia da Sala de Imprensa do Governo de São Paulo:

Alunos de escolas estaduais vão aprender a respeitar opção sexual

A Secretaria Estadual da Educação resolveu abordar o tema “Diversidade Sexual” nas escolas estaduais. A partir de 2009 alunos da rede estadual, de Ensino Fundamental e Ensino Médio, aprenderão sobre a importância de respeitar a opção sexual de cada indivíduo, quebrando tabus e dúvidas dos alunos.
Serão confeccionados materiais de apoio, como folders, livros e vídeos educativos, para utilização em oficinas das escolas. Todas as 5.500 escolas estaduais receberão os materiais, a serem utilizados com os alunos.


Isso é uma coisa muito séria: uma coisa é não discriminar as pessoas por sua opção sexual. Outra é transformar o homossexualismo em matéria na escola. Vamos ensinar para crianças de 8 anos que menino beijar menino é normal.

Haja saco. Talvez eu esteja realmente errada. O mundo é gay e só os heteros não perceberam isso ainda.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Tudo tem um lado positivo

Latinha de cerveja: R$ 2,00
Multa por dirigir alcoolizado: R$ 955,00
Encontrar a galera na delegacia: Não tem preço.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

O embuste da lei seca e a hipocrisia das autoridades

Por Josimar Melo


É inacreditável. Todo dia sai na imprensa a declaração de alguma autoridade afirmando coisas do tipo: "Lei seca faz cair n% dos acidentes".

Mentira! As mesmas estatísticas afirmam: "Acidentes nos dias de blitze". É óbvio que os acidentes estão diminuindo é por causa da fiscalização, não por causa das mudanças fascistas da lei.

Como eu já escrevi antes, algo mudou para melhor com a nova legislação, que é o fato de as penalidades serem maiores, pois bêbaddos no volante devem mesmo presos, multados, perder a habilitação e o que for. Mas dizer que os acidentes caíram "por causa da lei" é um tremendo embuste. Se as autoridades não fossem hipócritas, estariam dizendo: "Os acidentes estão caindo porque nós fomos incompetentes até hoje e nunca fiscalizamos nada; agora estamos fiscalizando, então o resultado aparece".

No lugar de admitir sua incompetência, estas autoridades, e a imprensa que as ecoa, e os puritanos de sempre, ficam fingindo que os resultados só aparecem porque a lei agora é fascista, trata os cidadãos como débeis mentais incapazes, compara um bêbado que está enchendo a cara na balada há seis horas (direito dele, mas não dirija) com um cidadão que tomou um chope com os amigos no fim do expediente e pega seu carro para ir para casa.

Reafirmo minha convicção. Bêbado não pode dirigir e tem que ser punido. E ao mesmo tempo, não admito que o Estado me proíba de exercer minha cidadania, me chamando de bêbado se eu não sou ou não estou. Pelo mundo afora há países com eficientes leis de trânsito, e com uma fiscalização que intimida os excessos -- e nesses países ninguém com duas ou três taças de vinho, sorvidas lentamente durante duas horas no jantar, é tido como bandido porque está guiando depois.

Como eu escrevi outro dia na Folha:
"No Brasil optou-se pela demagogia. Não é ainda a proibição total do álcool, mas é um belo passo: a lei dos sonhos dos moralistas, dos fanáticos religiosos, dos que sonham com uma humanidade conformada, careta e muito bem amestrada (típico destas leis de “tolerância zero”, como a política fascistóide do ex-prefeito Giuliani, de Nova York: “atire antes e nem pergunte depois”, pois a população em seu curral é por definição criminosa, o grande pai deve decidir por ela).

Mais uma lei que livra a cara dos ricos, joga água no moinho da caretice e sequer garante que, depois do show midiático, será realmente efetiva para coibir o verdadeiro problema –não o bebedor responsável, mas o bêbado criminoso que já poderia estar sendo contido, mas nunca foi. Será agora?"

Ah, e para os fanáticos que escreveram aqui no blog torcendo que alguém na minha família seja acidentado no trânsito, uma boa notícia para vocês: isso já aconteceu. Perdi meu pai quando criança, atropelado quando saía a pé do trabalho, numa madrugada após o fechamento, em frente ao jornal que dirigia. Como o motorista fugiu do local, não é possível saber se estava bêbado ou não. Talvez estivesse, é possível.

Mas não vou deixar que minha terrível dor pessoal sirva de motivo para que eu passe a apoiar nem fascistóides, nem fanáticos religiosos, nem puritanos de todo tipo que criam leis para nos colocar nas trevas, tutelados pelo obscurantismo de um Estado autoritário (seja laico ou religioso). Leizinhas deste tipo são somente o começo. Tô fora.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Baladas de São Paulo

Santa Aldeia: Balada de surfista de subúrbio: o cara mora em SP, não sabe nem nadar, só usa surfware e reclama da cidade.

Armazém da Vila: É onde o RH ou a Informática da sua empresa faz os aniversários, pode conferir.

Liquid Lounge: É o típico lugar onde os que não entendem de balada fazem festa, é o Fryday's dos anos modernos.

Trash 80: Antes tinha as gostosas, os bichas e os amigos dos bichas. Agora tem Bichas, amigos de Bichas e uns perdidos procurando as gostosas que nós contamos pra eles a um ano atrás.

Vinyl: É meia balada, tem meia pista, meio,bar, metade dos mulheres, meio banheiro...a fila e o preço das bebidas é o dobro.

Nias: Só tem otário, isso é bom. os otários levam as amigas barangas e vez por outra as barangas levam amigas médias, agente bebe todas e acha que pegou só modelo.

Axé Indoor (Credicard Hall, Palace,Estacionamentos e CarnaFaap): Só tem otário, e isso é ruim, porque realmente tem só os otários e mais ninguém, nem as mulheres. É a balada que o irmão gordo do surfista de subúrbio vai porque ouviu que micareta é do caralho.

Blanco: O Absoluto de hoje, crianças pobres vestidas de ricas competindo pra ver quem fala mais "tudo de bom", o mesmo vale para Cheers, Ibiza e o resto das baladas da Vila Olímpia.


Noite Black (de qualquer lugar): Babacas brancos que até ontem odiavam os preto agora fingem que são um.

Barzinhos de domingo à noite (Montecristo, Moça Bonita, etc...): Filinhos de papai com mais de 30 anos zerando e pagando de bem sucedido.


Azucar: Velhas que não pegam mais homem nas baladas e putas que não pegam mais clientes nas ruas, todas coexistindo sob o mesmo teto com estrangeiros pagando bebida pra brasileiros.


Restaurante Japonês: Quando eram crianças iam no MacDonalds, agora que cresceram vão encontrar a turminha no japonês, só falta um salão de festas e um palhaço pra animar a galerinha.


Image Club: Pague para entrar, reze para sair. Pra ficar mais ao gosto dos frequentadores agora a casa não liga mais o ar condicionado e só serve a cerveja bem quente.


Sirena: O Sirena tem muito a ver com a Disney, só que as filas são maiores e os personagens ao invés de darem tchauzinho dão porrada.


Posto Faria Lima X Juscelino: Um circo grátis. Mulheres barbadas, arrancada de Fusca, Corcel com aerofólio, gordão de picape importada e cueca furada, casal ouvindo música no Voyage com três amigos do cara no banco de trás...uma biodiversidade que faz peito à da Amazônia.


Moça Bonita: Só se for aquela impressa no cardápio. Secretárias e advogadas que já dobraram o Cabo da Boa Esperança fazendo cara de sexy pros entregadores de pizza e manobristas que passam por ali, são amplamente ignoradas pelos quarentões de moto e jaco de couro no rabo de peixe do outro lado da rua (que só olham pras motos uns dos outros). Vez por outra as mulheres conseguem algum gracejo ou final de semana na praia com um certo proeminete jovem do Tucuruvi.


Pub: O lugar preferido dos zerados por opção. O Pub é onde você pode zerar sem ser criticado, afinal de contas você foi lá pra tomar cerveja.


Rave: Agora pouco em moda graças ao Black Music, pois os brasieliros nativos que juram ter vivido em Birminghan, Oslo e Bristol agora tentam se convencer que vieram do Harlem. Antes achavam bonito esconder o ecstazy da polícia, agora sonham em entrar na balada com uma pistola cromada escondida. Quando tem Skol Beats a roupa comprada na Galeria Ouro Fino sai do armário.


Lucky Scope: Pior do que surfista do subúrbio de São Paulo é surfista do subúrbio de Santos, na Lucky Scope você vai achar que passar uma tarde num cartório não é tão ruim assim.


Manga Rosa: Já são quatro e meia e você zerou? Nada está perdido, vá ao Manga Rosa e divirta-se tomando uma boa surra, apanhar do segurança não é opcional.
Love Story: Já são seis horas e você zerou? Nada está perdido, vá ao Love Story e pegue uma DST.


Inauguração de Boate: Aquela boate decadente pintou as paredes, mudou de nome e agora você conseguiu uma boiada pra ir na inauguração? Você e a torcida do curíntia mané. Se prepare pra ficar seis horas empurrando na fila e mais umas duas pra coseguir uma cerveja quente num copo de plástico (open bar...).


Vila Country: Chapéus, botas, música country e muita gente zerando. O divertido é ver os coitados dos cowboys tentando seduzir as gordinhas através de danças bizarras.


Disco: Se você nunca foi à Disco você é pobre. Se já foi uma vez é um pobre metido. Se já foi muito e a-do-ra, você deve ser uma alpinista social cujo sonho é dar dentro de uma Ferrari e ainda não descobriu que não tem banco de trás. Uma dica: sempre que for colar em uma mulher em São Paulo começe assim "mêuuu! acabei de vir da Disco, passei lá só pra dar um abraço num amigo meu que faz aniversário".


Ebano: É o Liquid Lounge, só que montado de cabeça pra baixo, o restaurante para cima e a pista para baixo.

Festa de Faculdade: Divertidíssimo, você pega uma mina e ainda sai na internet fazendo ela num quartinho.


Barzinho em Pinheiros: Quem disse que em São Paulo a noite só piorou? Em Pinheiros melhorou muito: os malditos bares faliram todos! Viva a pobreza dos maconheiros! Que morram todos de fome e sejam tragados pelos vermes!


Reveillon em Florianópolis: O novo Guraujá dos Paulistas, tem tudo pra você se sentir em casa: Trânsito infernal, todos os carros com placa d São Paulo, filas pra usar chuveiro na praia...


Micareta: A melhor das diversões, você encontra aquela mina do seu prédio que você paga um pau, troca beijos eufóricos e depois os dois ficam constrangidos no elevador fingindo que nada aconteceu.


Meretrício: A equação é simples: amigos zerados + balada miada + bebida = puteiro. Uma passadinha "só pra acompanhar a galera" e quando você vai ver já está acordando de ressaca atrasado pro trabalho e duzentos reais mais pobre.


Bar Léo: O melhor chopp da cidade, o ambiente ao redor é aconchegante como um campo de concentração sérvio.

Bilionaire: Geroge Lucas se inspirou nos frequentadores pra criar os monstros do Guerras nas Estrelas, precisa dizer mais?

The Bar: Três andares, cinco ambientes, show de pirofagia e nenhuma janela, se você achou que a claustrofobia era o que incomodava, espere até conhecer as meninas de lá.


Buena Vista: Está sem empregada? Buena Vista é o lugar. Você leva pra casa e ela dá um trato na pia cheia de prato sujo.


Charles Edward: Já ouviu dizer que as idosas atacam no "charlão"? É tudo verdade. Se pegar uma amiga da sua mãe no flagra, o padrão é cobrar uma garrafa de Red Label por seu silêncio, você vai entender porque o clube do uísque é tão popular por lá.

Lov-e: O Lov-e é um lugar ímpar, ninguém gosta, mas todo mundo adora dizer que acha o máximo.

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Poço do Saber

Do Blog do Paulo Henrique:

[momento sarcástico ligado] Vejam só como a estrela do erotismo nacional não é só boa em cima de uma cama [momento sarcástico desligado]

Terra Magazine - O deputado Ciro Gomes disse que a cidade de Fortaleza virou um "puteiro a céu aberto". O que você acha dessa declaração?
Bruna Surfistinha - Nossa... Eu acho que, com essa frase, um tanto de mau gosto, ele demonstrou ser preconceituoso. E mesmo se tivesse virado, é uma ofensa para quem mora na cidade e para quem é garota de programa.

Você se sentiria ofendida se São Paulo fosse alvo de uma declaração dessa?
Olha, hoje em dia eu posso dizer que me ofenderia, sim, com uma declaração dessa, né? Mas, ao mesmo tempo, apertaria o botão "foda-se" e o cara, o político, o Ciro Gomes, assim, tipo, até acharia graça pela imaturidade que ele demonstra ter.

Você já tem algum candidato a prefeito em São Paulo?
Mas isso não é proibido falar? (!!!)

Não, é só uma opinião...
Então, olha: eu ainda tô com muita dúvida entre dois candidatos. O que me ajudou muito foi a entrevista da Marta Suplicy (PT-SP) na Veja São Paulo. Como eu sou assinante, acabei lendo também a do Geraldo Alckmin (PSDB-SP). Já li a entrevista com cada um dos três candidatos a político (!!!), e isso me ajudou muito. Porque, sinceramente, eu não tenho paciência de ficar assistindo horário político mesmo quando é ano eleitoral (!!!). Então, essas entrevistas me ajudaram muito. Mas tá muito difícil, porque o que um tem de bom, o outro tem de ruim... (???)

Você se refere ao Alckmin e a Marta?
Não, ao Kassab e ao Alckmin. Tô em dúvida. Entre os dois.

Como você avalia o governo Lula?
Ah, é ruim, né? (risos). Acho que a política em geral tá bem ruim. Não sei ainda se eu votarei no Kassab, mas eu gostei muito do trabalho dele com a Lei Cidade Limpa. Acho que teve um resultado muito bom, e São Paulo ficou realmente com um ar melhor.

terça-feira, 8 de abril de 2008

O que aconteceu no Tricolor - Versão Censurada

Por Mauro Beting

O jornalista deve buscar a melhor versão possível dos fatos.
O jornalista que publica "a verdade" de um fato, qualquer fato, começa faltando com a tal "verdade".Existe a minha "verdade", a sua "verdade", a dos outros.

Todas respeitáveis, por mais absurdas. Ou "mentirosas".Na Sexta-Feira do Terror (buuuu!) na concentração são-paulina, o nosso André Kfouri publicou a versão verosimílima do caso.Ou, no caso, a melhor versão possível.

Não a "verdade".Porque ele não estava lá.E, quem estava, pode querer contar a sua "verdade". Ou dar uma versão parcial. Ou apenas incompleta. Passional. Política. Escapista.

Mal sabemos o que se passa com a gente e com a nossa casa. Imagine com a dos outros.

Honestamente, já ouvi todas as versões possíveis. E, confesso, nenhuma me pareceu razoavelmente completa.Agora, seja qual for, e daí?

O São Paulo já os afastou.Abafou o caso - mais mal que bem.E bola pra frente, segue o jogo.

*** Mas, como solerte jornalista, tive acesso a algumas versões verossímeis, embora ficcionais: Uma me foi passada por um famoso jornalista esportivo:“Ao chegar 3 horas e meia atrasado para a concentração, Carlos Alberto ficou sabendo que seria multado em 145% dos salários de junho - de 2014.

Irritado, tentou atropelar Marco Aurélio Cunha. Por sorte do superintendente tricolor, a suspensão do jipe de Carlos Alberto é muito alta e ele passou por cima do ortopedista, mas sem atropelá-lo (por motivos sabidos).

Ao ouvir o barulho, Rogério Ceni se adiantou, saiu correndo da meta, e conseguiu jogar o doutor para o lado; ainda chutou com efeito o pneu traseiro do jipe, que capotou 17 vezes. Alguns jogadores do elenco acharam que o capitão só fez isso para aparecer, e para mostrar que o rei ali era ele, e não Adriano, que, no momento, estava relaxando na banheira do CCT, mas que estava cheia de sakê, não de água...

Richarlyson se irritou e foi reclamar com Muricy, que resmungou, não quis conversa, e disse que não era pago pra tratar daquele assunto. O presidente do São Paulo saiu de sua sala, jogou três cubas de gelo no chão, ligou pra Juan Figer, e, possesso, apalavrou a contratação de dois jogadores do Real Madri para junho. E mais Henrique, Diego Souza, Valdivia e Marcos (para a reserva de Rogério), que serão apresentados à imprensa no intervalo do segundo jogo das semifinais.

Fábio Santos só apareceu no CCT meia hora depois, com duas carabinas, três pistoleiras, sete ex-BBBs, quatro ex-namoradas de jogadores do Corinthians e do Palmeiras, e uma ex-namorada de 19 jogadores do Sertãozinho. Todos num jipe que ele havia acabado de bater no poste, logo depois de fazer rolo com um vizinho de um vendedor de carros amigo de um parceiro empresário de casa noturna que pertence à amante do dealer - cuja mulher é sobrinha de um conselheiro são-paulino que é financiador do Al-Qaeda e empresário do grupo Sambosta, cuja assessora de imprensa é filha da sogra de um conselheiro da oposição, que estaria devendo no jogo para um contato de um guerrilheiro taliban infiltrado na Yakuza.

Ao perguntar contra quem seria o jogo de domingo, Fábio Santos recebeu como resposta de Carlos Alberto que seria contra o Moleque Travesso. O volante ficou irritado, acho que CA estava falando dele, pegou uma das carabinas, e começou a atirar no meia. Por sorte, a pontaria de Fábio Santos teve a precisão de seus passes e Carlos Alberto escapou ileso.

Porém, algumas balas chegaram à Academia do Palmeiras, que pediu mais um laudo para a PM, agora vetando treinos e concentrações na Barra Funda. Marco Polo Del Neto ficou de estudar".

* * * A outra versão é da direção do São Paulo:“Ao chegar ao CCT meia hora antes do horário previsto, como é hábito de todo o elenco, Fábio Santos estranhou que a vaga do estacionamento ao lado estava vazia. Cismado, foi até a portaria e perguntou quem ainda não havia chegado, faltando apenas 30 minutos para o horário marcado!

Como o São Paulo é um exemplo de administração reconhecido pela revista Forbes, o porteiro tinha o GPS de todos os carros dos atletas, e, rapidamente, constatou que Carlos Alberto é quem estava faltando, e que estava com o veículo parado em região de farta comercialização de pombinhas.

Preocupado com o companheiro, Fábio Santos pediu autorização para procurá-lo. Três vans de diretores são-paulinos o acompanharam, igualmente sobressaltados. Os outros 19 adjuntos continuaram na concentração do clube, tomando cuidado dos mínimos detalhes, e já planejando a temporada 2010.

Ao chegarem ao bas-fond, todos se aliviaram ao ver Carlos Alberto distribuindo marmitas para os necessitados. Satisfeitos com a benemerência de seu jogador, a delegação voltou ao CCT, onde serviram sopa para o atleta, e duas horas de Reffis para os desabrigados.A única altercação ocorrida naquela noite, antes da oração ecumênica, foi quando dois ex-guerrilheiros das Farc que faziam fisioterapia no Reffis reconheceram dois mafiosos de Nova Jersey que moram no Reffis, num convênio entre o São Paulo, o FBI, o governo dos EUA, a Nasa e a Fundação Nobel para a proteção de testemunhas.

Um deles teria berrado para outro refugiado tibetano: - Bin Laden, você não é corintiano?Infelizmente, a partir dessa desinteligência, as coisas não ocorreram como deveriam.Mas já está tudo solucionado com rapidez, como do feitio da história, das tradições e da ética dos cardeais são-paulinos:Todos os participantes dos episódios foram multados em 29 dias. Mas, por ser um clube-modelo, o São Paulo não irá mandar a conta para as famílias.E ainda irá pagar pelas despesas funerais dos envolvidos".

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Solução de Cuba Comunista: fazendas privadas

By ANDREA RODRIGUEZ and WILL WEISSERT, Associated Press Writers Sat Apr 5, 3:12 PM

Tradução: Fernando Olszewski,

GUIRA DE MELENA, Cuba – Num país onde quase todos trabalham para o estado comunista, o leiteiro Jesus Diaz é seu próprio patrão. Ele gosta disto – e também o governo.

ivendo num terreno grande apenas para quatro vacas pastarem, Diaz produz leite suficiente para vender cerca de um quarto por dia para o estado.Isto é produção independente numa escala pequena, mas tem se provado tão eficiente que Cuba decidiu fazer uma grande expansão de seu programa para distribuir suas terras pouco usadas ou desocupadas para fazendeiros particulares e cooperativas.“É uma maneira para a terra acabar nas mãos daqueles que querem produzir. Eu vejo isto como uma coisa muito boa,” disse Diaz, 45.

Ele recebeu sua terra e vacas do estado em 1996, e agora tem esperanças de ter acesso a mais propriedade.O governo está se preparando para uma “distribuição massiva de terra,” Orlando Lugo, presidente da associação nacional de fazendeiros, disse última semana. Fazendeiros particulares começaram a receber terras para ganharem dinheiro sobre café e tabaco, e irão brevemente serem capazes de arrendar terras do estado para outras culturas.A idéia é de revolucionar a agricultura, um pequeno terreno por vez.

Enquanto a atenção tem se voltado para o Presidente Raul Castro em sua manobra popular de permitir qualquer cubano que possa arcar com os custos, de comprar um telefone celular ou se hospedar num hotel de luxo, distribuição de terras para agricultura tem sido menos noticiada e é potencialmente muito mais importante para melhorar a falta crônica de comida.

A aposta é que fazendeiros independentes irão fazer melhor por conta própria do que trabalhar para empresas agrícolas estatais, que sofrem com a burocracia, mau planejamento e falta de fundos.

“As autoridades, eles te deixam sozinho e deixam você produzir,” disse Aristides Ramon de Machado, que conseguiu permissão para plantar bananas, papaia e goiaba num terreno perto de sua casa em Boca Ciega, leste de Havana.De Machado apenas planta o suficiente para sua família comer e é proibido de vender qualquer excedente. Mas ele disse que confiando em fazendeiros particulares maiores e com mais terras irá encorajá-los a aumentar a produção.“Ver o fruto de seu próprio trabalho te dá prazer sob formas que trabalhando para outra pessoa não dá,” ele disse.

Os revolucionários de Fidel Castro tomaram todas as grandes fazendas para o estado depois de derrubarem o ditador Fulgencio Batista em 1959, e oficiais insistem que a nova liberalização não é uma traição aos valores revolucionários.

Fazendeiros independentes ainda irão enfrentar regras sobre o que e quanto eles podem plantar, e o risco de perderem suas terras se eles falharem em atingir as quotas de produção do governo. Eles também são obrigados por lei a vender qualquer excedente para o mercado de fazendeiros.Aumentar a produção de comida tem sido uma prioridade para Raul Castro, de 76 anos, que sucedeu seu irmão como presidente em fevereiro.

Enquanto distribuir terras para indivíduos já foi tentado antes em Cuba, desta vez o governo parece disposto a abrir mão de mais controle para obter melhores resultados.Por exemplo, ele autorizou lojas estatais a venderem materiais diretamente a fazendeiros – uma concessão chave, já que por décadas, indivíduos têm tido problemas para obterem legalmente uma pá sequer. O estado também está provendo fertilizantes e ração de graça.

E desta vez, associações locais de fazendeiros estão sendo apoderadas para tomar conta da realocação de terra, uma prerrogativa antes reservada ao Ministério da Agricultura em Havana, apesar de Lugo ter acrescentado que as delegações municipais ainda precisam prestar contas a “central de controle central” senão a distribuição de terra iria “degenerar em caos”.

Cuba gasta $1.6 bilhão anualmente em comida importada, cerca de um terço vem dos Estados Unidos, que isenta exportação de comida e produtos agrícolas de seu embargo à ilha. Cuba ainda importa 82 por cento do $1 bilhão em arroz, leite em pó e outros produtos essenciais que então raciona para o público a preços subsidiados – um número assombroso para um país tão fértil.

Em mercados de fazendeiros, produtos básicos como couve e laranjas são quase sempre disponíveis, mas tomates e alface desaparecem durante o verão chuvoso, e maçãs importadas são consideradas artigo raro.

Cooperativas controladas pelo estado operam como mega-fazendas modernas em grandes pedaços de terra, geralmente usando equipamento pesado e sistemas sofisticados de irrigação. As cooperativas controlam ainda todo tipo de culturas, incluindo produtos famosos como açúcar, mas o tabaco de alta qualidade que encontramos nos famosos charutos cubanos já está na maior parte em mãos privadas.Muitas grandes cooperativas estão perdendo dinheiro e falhando em atingir quotas de produção. Seus trabalhadores têm poucos incentivos para melhorarem as coisas, já que salários se mantêm baixos não importa quão bem suas fazendas estejam.

Enquanto isso, muitos dos 250.000 fazendeiros particulares cubanos precisam plantar e colher com as mãos, arar com bois e regar com baldes. Em Guira de Melena, 30 milhas ao sul de Havana, El Guateque é uma das três lojas fornecedoras em toda ilha que estão agora autorizadas a vender materiais diretamente para fazendeiros particulares. Ela oferece pequenos itens como luvas, machetes, enxadas, freios para cavalos.

Tais ferramentas podem ser humildes e de baixa tecnologia, mas elas ajudam a produzir 60 por cento do total de comida em apenas um terço da terra arável em Cuba.

Em outras jogadas para revigorar a indústria, Cuba tem liquidado grandes dívidas com fazendeiros e mais do que duplicou o que paga a produtores de leite e carne. Fazendeiros dizem que o governo também está pagando mais por batata, cocos, café e outros produtos.Mas se uma revolução agrícola está por vir, ainda não trouxe grandes lucros para fazendeiros. Diaz ganha 2,50 pesos por quarto de leite, vindo de um peso. Um peso vale pouco menos que cinco centavos de dólar.

quinta-feira, 27 de março de 2008

Frase do dia

"ÔH Bush, the problem is that, my sun: we stay 26 years without grow up. Now that we growing, you came to fuck us ? Fuck u, mother focker !!!"

Mr. Silva.

Música para a freguesia da marginal sem número

Chora neném...
Valdívia vai marcar!
Segunda divisão...
É coisa de gambá!

Chora neném...
Nem vai classificar!
Palmeiras campeão...
Freguesia à reclamar!

Corneta Verde: Palmeiras 1x0 Portuguesa

Não vi, não gostei e vou cornetar:

Nove-nove não pode marcar em um jogo e ficar três sem marcar, perdendo, inclusive, gols que até o Zé Muleta da praça da Sé faz. Gol tonto, até o el furo bambino do Denílson faz.

Giro Verde

"No Palestra Itália, ecoa até agora o nome de Jorge Preá, autor do gol salvador (1 x 0 na Portuguesa) aos 48 minutos. O Palmeiras (10 jogos - 8 V, 6 seguidas - invicto no Paulista), praticamente classificado, curte a liderança pelo menos até esta noite. Mais até do que para os zagueiros adversários, Valdivia se transformou num problema para os árbitros. Incompetência, falta de critério e "aplicação eventual" da regra dão nisso. Após uma vitória como essa, o torcedor palmeirense está convencido de que há algo especial esperando por ele. E quem haverá de discordar?"
Do Blog do André Kfouri


"- Vamos ganhar, Porco!
Era o grito de todo o estádio palmeirense naquela que parecia ser a última bola do jogo. Quarenta e sete minutos de um segundo tempo duro como o clássico. Empate sem gols. A desfalcada Lusa toda atrás, segurando direitinho um Palmeiras de momentos de um futebol bonito como há muito não se via no Palestra, e de finalizações ruins e nervosas como tantas dos últimos tempos mais negros que verdes.O clássico iria até looongos 50 minutos. E foi dentro desse tempo que Leandro levantou no segundo pau, David cabeceou no travessão, Diego Souza jogou pra dentro da pequena área e Jorge Preá fez seu primeiro gol palmeirense, aos 47min59s. Um gol que o estádio cantou antes de a bola ser levantada da meia esquerda. Um gol que o torcedor palmeirense pareceu pressentir antes de a bola ser cruzada. Um gol que os torcedores dos grandes times parecem sentir (ou antever) como craques. Ou apenas por saberem que certos times vivem dias e jogos iluminados.Dias de craques. Não parecia haver uma torcida do palmeirense antes da falta. Parecia haver uma certeza no Palestra. O gol sairia naquele lance. Estava escrito nas oito estrelas do escudo que fica atrás daquela meta. Pressentimento confirmado com o toque redentor de Preá. Antecedido por uma comunhão emocionante da arquibancada com o time. Seguido de uma das mais tocantes celebrações vistas no Palestra, com jogadores, comissão técnica e torcida correndo cada um para um lado diferente. Ou melhor: todos para o mesmo lado. Para cima. Para o Palmeiras. Celebração de um time que ainda não está pronto. Mas que parece estar pronto para o que der e vier."
Do blag de Mauro Beting


"O Palmeiras não entrou no Palestra Itália como quem começa um dia de trabalho. O time foi a uma festa. Era essa a impressão da equipe quando a partida começou, com show de Valdivia. Até embaixadinha, com controle de bola na coxa, houve no Palestra Itália. Até que o jogo começou a pegar. A partir daí, Valdivia sumiu. Antes disso, houve um período do jogo em que o mais sério em campo, com a camisa verde-limão, era Léo Lima. Convenhamos, no dia em que Léo Lima é o mais sério, alguma coisa anda errado. O jogo pegou, Valdivia diminuiu seu ritmo e quem apareceu foi Diego Souza. Foi dele o passe para Alex Mineiro marcar, ou melhor, desperdiçar chance clara no início do segundo tempo. Mas foi dele também o passe, de cabeça, para o gol de Jorge Preá, centroavante indicado por César Sampaio, que brigou por todas as bolas nos quinze minutos em que esteve em campo. A raça valeu o gol e a liderança. Mas o jogo serve de alerta."
Do Blog do PVC


"Jorge Preá, jogador contratado meio a tantas desconfianças teve sua primeira aparição útil no Palmeiras, diante da Portuguesa, no Palestra Itália. Tudo bem que não era um gol difícil de se fazer, mas sim, de suma importância para o alviverde conseguir a classificação, com a magra vitória de 1 a 0. Apesar de não ter jogado bem, o gol aos 48 minutos deixou a torcida em êxtase. A equipe de Vanderlei Luxemburgo soma agora 34 pontos. A semifinal está muito próxima."
Do Blog do Lédio Carmona


"O Palmeiras teve o jogo nas mãos e o desperdiçou diversas vezes, principalmente, nos pés de Alex Mineiro em noite infeliz. Mas levou sustos que não planejava e ainda teve uma ajudazinha do árbitro, no segundo tempo, quando um gol da Lusa foi anulado numa inversão de falta na área palmeirense. O que não dá para entender é a festa que o torcedor alviverde faz para a inutilidade chamada Denílson. Mas, na vida, tem gosto para tudo. Seja como for, aos 48, Jorge Preá, que entrou exatamente no lugar de Alex Mineiro, fez o gol da vitória, o da classificação, numa noite em que o Corinthians perdeu e a Ponte Preta empatou. O Verdão acorda líder nesta quinta-feira e, se duvidar, dormirá líder."
Do Blog do Juca Kfouri

--
As manchetes do jogo:

O Estado de São Paulo:
Palmeiras: vitória no último Lance

Jornal da Tarde:
O Verdão está no topo

Folha de São Paulo:
Com gol no final, Palmeiras alcança liderança inédita

Diário de São Paulo:
Estrela brilha e Palmeiras é líder

segunda-feira, 24 de março de 2008

O veneno comunista

O Laboratório de Venenos: de Lênin a Putin - Editora Nova Fronteira

Desde a Antigüidade, veneno e História caminham lado a lado. Cleópatra usou o de uma cobra para livrar-se da humilhação de cair prisioneira dos romanos. Napoleão teria sido vítima do arsênico. Saddam Hussein encontrou seu fim na forca por ter, entre outros crimes, envenenado aldeias inteiras de curdos com gás letal.

É dessa relação tão próxima que Arkadi Vaksberg tira o fio condutor de seu novo livro, O laboratório dos venenos: de Lênin a Putin, que desvenda o uso de substâncias tóxicas como arma política na Rússia, desde a extinta União Soviética, no início do século XX, até o momento atual.

No centro da estratégia de usar o veneno para destruir os adversários — pessoais ou do regime — estava o Gabinete Especial, um laboratório estatal criado para a pesquisa de novas substâncias tóxicas. Dela saíram as combinações químicas letais que puseram fim a uma enorme quantidade de vidas. Da vingança do Kremlin, poucos escapavam, seja no pelotão de fuzilamento ou numa caneca de cerveja envenenada.

Embora haja registros de envenenamentos de rivais pelos donos do poder em todas as épocas, é na revolução que levou os bolcheviques ao comando da Rússia, em 1917, que se verifica o uso mais amplo e irrestrito do veneno como arma. Tal escolha é consistente com um regime que procurou dissimular suas intenções violentas.

Vaksberg recua ao fim do século XIX, período de gênese da Revolução Russa, e mostra que Lênin, Béria e Stálin não hesitaram em lançar mão do assassinato por veneno quando uma morte menos suspeita era necessária para não comprometer a imagem do regime. E, ironia das ironias, segundo aponta Vaksberg, o próprio Lênin pode ter sido envenenado a mando de Stálin, impaciente em tomar de vez as rédeas do poder do velho e doente líder na década de 1920.

Atento tanto ao registro histórico quanto ao jornalístico, o autor é ágil o suficiente em seu relato para incluir o assassinato do ex-espião russo Alexander Litvinenko, por envenenamento com uma substância radiativa no ano passado em Londres. Crítico de Vladimir Putin, Litvinenko antes de morrer acusou o presidente — um ex-espião da antiga KGB soviética — de ser o responsável por sua morte. O fio da meada que leva ao Kremlin inclui mortes misteriosas de líderes chechenos e adversários de Putin. Para o autor, tais episódios são a confirmação de que velhas práticas ainda são correntes na Rússia do século XXI, apesar dos 16 anos decorridos desde a queda do comunismo.

Trata-se de um livro imperdível para quem quer entender os meandros do jogo político de bastidores, onde espionagem e assassinatos são lugar-comum, O laboratório de venenos é também uma excelente aula de história dos últimos cem anos.

Furo pago

Do Estadão, editado pelo blog de Reinaldo de Azevedo:

A cafetina brasileira, Andréia Schwartz, retornou a São Paulo num vôo da American Air Lines - de classe executiva. Segundo ela, teve ajuda do “bispo Edir Macedo”, da Igreja Universal do Reino de Deus, dona da Rede Record. Em retribuição, foi à emissora que ela concedeu sua primeira entrevista, por telefone. “Só alguns veículos estão me levando a sério, como a Record. O bispo Macedo pagou minha passagem na classe executiva para eu voltar dos EUA”, afirmou ela. Ao ‘Estado’, o Departamento de Jornalismo da TV Record negou que tivesse pagado a passagem, mas admitiu que o correspondente da emissora viajou no mesmo vôo.

Nota do Blog: Que beleza, não? Desse jeito, até eu!

Giro Alviverde

Confira as opiniões dos principais colunistas sobre a vitória do Palmeiras sobre o Paulista de Jundiaí, no último sábado.

Blog do André Kfouri
"O Palmeiras resolveu o jogo contra o Paulista (2 x 0) em 18 minutos. Um de Alex Mineiro, outro de Valdivia, coisa rápida. Entre o futebol que está sendo mostrado neste momento, e o futebol que será necessário para ganhar o título, o Palmeiras é o que está menos distante. E não é surpresa."

Blog do Cereto
"Mais do que a matemática, o bom futebol do Palmeiras lhe garante no topo da tabela. São três vitórias seguidas que dão moral e confiança ao time. Na seqüência terá a Portuguesa e o São Caetano em casa e Barueri fora. Nesse momento o time de Palestra Itália é o que tem mais condições de se classificar e ser o campeão."

Blog do PVC
"Não, desta vez o Palmeiras não venceu de virada, como fez contra Bragantino, Ponte Preta e São Paulo. Venceu com viradas. Daquelas que o time treina exaustivamente, nos trabalhos táticos na Academia de Futebol. De Élder Granja para Leandro e o inverso também. Ou com a passagem sempre precisa pelo pé direito de Léo Lima. Este é, para o Palmeiras de 2008, o que Mazinho foi para a equipe do bi paulista de 1993 e 1994. Em Jundiaí, o time de Luxemburgo fez 2 x 0 em jogadas de Alex Mineiro para Valdivia e Valdivia para Alex Mineiro. Depois, contou o tempo para fechar a rodada com 31 pontos e a uma vitória da classificação."


Blog do Lédio - By Vitor Caneto
"Time que encanta e vibra. É parecido com os versos do hino palmeirense que o time de Vanderlei Luxemburgo vem jogando. O Palmeiras fez ótimo primeiro tempo, abriu 2 a 0, e apenas administrou o resultado na segunda etapa. Diego Souza esteve apagado hoje, mas Alex Mineiro e Valdívia resolveram a partida contra o Paulista. Aliás, é bom ver variedade nas comemorações. Dessa vez o Coelhinho da Páscoa, em vez do choro ou do créu. Ter um bom elenco é isso. Quando um destaque não resolve, aparece outro. O alviverde é favorito ao título paulista. E já está praticamente classificado, com 31 pontos. Faltam 3 jogos."

Blog do Juca
"Com pouco mais de um minuto de jogo em Jundiaí, Neto Baiano subiu livre na área do Palmeiras e cabeceou no chão, com força. Só não fez 1 a 0 para o Paulista porque São Marcos operou uma grande defesa. E se um bom time começa por um grande goleiro, o Palmeiras tem dois, um em campo e o outro no banco. Além do mais, tem hoje um time já entrosado e sem nenhum cabeça de bagre, ao contrário. E foi esse time que se impôs se maiores dificuldades depois do susto inicial. E o Palmeiras voltou para São Paulo feliz da vida, depois de aproveitar bem o sábado de Aleluia e poder desfrutar do domingo de Páscoa."


Vale Menção - Do Blog do Rizek
"Outro dia fui ao Palmeiras e fiquei vendo o Marcos treinar. É impossível não parar um minuto que seja para ver um gênio trabalhar. Lembrei do que escrevi, quando Vanderlei Luxemburgo barrou Diego Cavalieri para promover a volta do campeão mundial. Eu dizia que era “uma bobagem”. A cada rodada, Marcos mostra que “uma bobagem” foi o que escrevi. Os fatos vêm em primeiro lugar aqui..."

Atualizações

Desculpem.

Devido à problemas pessoais, esse blog ficou algum tempo sem atualizações.
Agora, tudo voltará ao normal, com o blog sendo atualizado sempre às segundas, quintas e sábados.

Abraços,

Lá e aqui

Chelsea 2 X 1 Arsenal foi um clássico “clássico”, com direto a virada do time de (???) Beletti, que se mantém na briga pelo título inglês, cinco pontos atrás do líder Manchester. Dois momentos do jogo, particularmente, me chamaram a atenção.

Primeiro, o Arsenal saiu na frente. A torcida do Chelsea começa a gritar “Mourinho, mourinho”, referência ex-técnico do time. Bela cornetada no israelense que hoje dirige o time de Roman Abramovich. Existe uma ala palmeirense (e eu me considero parte dela) que tem como referência às academias e o time de 93/94. Essa ala, ficou conhecida como "Turma do Amendoin" depois que o ex-técnico alvi-verde Luiz Felipe Scolari reclamou das constantes reclamações da torcida. Respeito e admiro muito o Felipão, mas fico pensando como ele taxaria a torcida de o estádio inteiro tivesse pedido a volta do Luxa em 1998, como a torcida do Chelsea fez ontem.

Aos 27 do segundo tempo, Drogba marca o gol de empate do Chelsea, que estava perdendo para o Arsenal (time com a camisa mais feia do universo). O atacante tira a camisa e corre para a arquibancada, para abraçar os torcedores do time. Primeira observação: torcedor civilizado é uma coisa linda. Os caras abraçaram o jogador e depois, deixaram-no voltar ao campo para jogar bola. Além disso, nada como um estádio sem alambrado.

Segunda observação: a comemoração do atacante. Imagine o Drogba sendo contratado por um time brasileiro. Ele estréia num clássico, marca o gol da vitória e corre para comemorar com a torcida. Cartão amarelo certo e gratuito. E chato. Sim, porque a cada dia, o futebol brasileiro está ficando mais chato. E fresco. É a bambinização total do futebol tupiniquim. Jogador não pode comemorar com a torcida que toma cartão. Técnico não pode reclamar falta que toma cartão. Jogador não pode aplicar drible que é falta de respeito com o adversário.

Os dirigentes, comissões de arbitragem e principalmente técnicos e jogadores que defendem o futebol moderno (ou seja, grosso e feio) deveriam todos ir jogar bola na rua ou em campos de terra, para lembrar que esse é um esporte feito de magia. Onde frescura e chatice não deveria ter lugar.

terça-feira, 11 de março de 2008

E depois, quando "elas" reclamam...


Jogador promete ficar um ano sem sexo se marcar contra o Real Madrid

O volante De Guzmán, do La Coruña, fez uma promessa inusitada para a próxima partida da equipe, diante do Real Madrid, pelo Campeonato Espanhol.

"Se fizer um gol no Real Madrid, fico um ano sem sexo", declarou o jogador canadense, após o treino desta terça-feira.

Em outubro de 2005, De Guzmán abriu o placar da vitória do La Coruña sobre o clube da capital por 3 a 1. Portanto marcar contra o próximo adversário não seria um fato inédito.

O canadense, que está em sua terceira temporada pelo clube, é o terceiro jogador que mais atuou no atual Campeonato Espanhol, atrás do zagueiro Coloccini e do lateral Manuel Pablo. Nas últimas 21 partidas, De Guzmán foi titular e não foi substituído.

Da Agência Lancepress

segunda-feira, 3 de março de 2008

Magia

Uma imagem (ilustrada) vale mais que 90 minutos de futebol...


Chora, freguesia!


quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Frase Bacaninha

"O Ibama considera um crime a confecção de bolsas com couro de jacaré, mas não há lei que proíba a confecção de bolsas-família com o couro da classe média".

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

And the Oscar goes to...

Do Uol:

Numa festa morna e sem grandes surpresas, "Onde os Fracos Não Têm Vez" foi o grande vencedor da 80ª. edição do Oscar. O filme dos irmãos Joel e Ethan Coen levou quatro dos oito prêmios artísticos, incluindo melhor filme, direção, roteiro (também para os irmãos Coen) e ator coadjuvante (Javier Bardem). O principal concorrente, "Sangue Negro", apenas confirmou o favoritismo de Daniel Day-Lewis como melhor ator, algo que era dado como certo até pelo mundo mineral de Hollywood.

Stewart, apresentador da cerimônia, conduziu a festa com graça e bom humor, mas foi comedido demais para quem conduz um explosivo programa de sátira política na televisão americana. Gentil e muito educado, foi o responsável por trazer de volta ao palco a pianista tcheca Marketa Irglova, ganhadora do prêmio de canção ao lado de Glen Hansard com "Falling Slowly", do filme "Once", para que pudesse completar o seu agradecimento.

As mulheres se fizeram notar mais do que os homens nessa edição, seja pela elegância, pela deselegância ou pela surpresa. A francesa Marion Cotillard, melhor atriz por "Piaf - Um Hino ao Amor", será lembrada tanto por sua beleza, quanto pelo figurino e também pelo bonito discurso.

A talentosa ex-stripper Diablo Cody, roteirista de "Juno", entrará para a história das mais mal vestidas do Oscar por causa de um vestido de oncinha. E Tilda Swinton, a magnífica atriz britânica que trabalha com George Clooney em "Conduta de Risco", fez história por derrubar concorrentes fortíssimas na categoria atriz coadjuvante e da generosidade de suas palavras.

No capítulo momentos encantadores, houve alguns dignos de nota. Entre os quais, um que certamente será repetido nas próximas edições, foi quando o roteirista Robert Boyle, 98 anos, o homenageado da noite com um Oscar honorário agradeceu a Hitch por ter se arriscado a aceitá-lo na indústria de cinema. O Hitch a quem Boyle se referia era ninguém menos do que Alfred Hitchcock, com quem trabalhou em "Intriga Internacional" e "Os Pássaros".

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

O Paulistão dos Pequenos

Tal como em 2007, três times do interior estão entre os quatro que se classificam para a fase final do Campeonato Paulista. Ponte Preta, Guaratinguetá e Noroeste, deixaram para trás os tradicionais Palmeiras, Corinthians e Santos e rumam firme à fase semi-final.Particularmente, acredito que dois times grandes e dois do interior se classificam para as semi-finais: Guará, Ponte, São Paulo e Palmeiras. Mas independente do que vai acontecer ao final do turno, a disparidade entre os pequenos e grandes em São Paulo é cada vez menor.

Ok, sei, que é possível usar a velha argumentação de que o Paulista é laboratório para a Libertadores e a Copa do Brasil. E eu concordo plenamente. O Palmeiras, entre os quatro grandes, é o único time realmente interessado em conquistar o Paulista, para sair da fila de seis anos sem conquistar títulos.

Mesmo assim, os quatro grandes estão entrando em campo com força máxima. Esse ano, diferente de 2007, nem mesmo o São Paulo escapou de uma reformulação considerável nesse início de temporada e por isso, os times ainda não engrenaram de vez. Mesmo assim, a disparidade na qualidade do elenco dos grandes e pequeno é enorme e não deve ser ignorada.

Em contrapartida, os times pequenos aproveitaram o calendário um pouco mais folgado e se prepararam melhor durante a pré-temporada. A Ponte disputou a Série B, mas como não entrou na briga do ascensão, não teve um final de campeonato tenso. O Noroeste não chegou a final da Série C e o Guará não disputou nenhuma das séries do Brasileirão. A esse fator, soma-se a manutenção as poucas mudanças no elenco e dai, se pode entender o sucesso dos times do interior no início do Paulistão.

Cada vez mais, o Paulistão deverá ser dos times pequenos, já que a tendência é que os times grandes usem o estadual como pré-temporada. O Paulista a cada ano tem menos charme e eu, a cada ano, sinto, mais e mais, saudades do Rio-São Paulo.

"Approach"ando..

Há 29 anos atuando como jornalista, Lourdes Rodrigues, editora assistente das editorias "Plano Pessoal" e "Vida Executiva" do jornal Gazeta Mercantil, inaugurou a nova sede da Approach São Paulo durante um agradável café-da-manhã com a equipe.

Antes da Gazeta Mercantil, Lourdes trabalhou nas rádios Bandeirantes, Capital, CBN, Cultura e Globo. Também trabalhou na TV Bandeirantes e produziu livros corporativos. Há cinco anos, está na Gazeta. "É o único emprego em veículo impresso que tenho no currículo", afirma. "Minha escola é mesmo o rádio, onde atuei durante 13 anos".

P: O que você aprova e o que não gosta no trabalho dos assessores?
Lourdes Rodrigues: Release mal escrito não dá. É uma coisa que deveria ser óbvia, mas não é. Tem texto que é muito grande e têm outros em que faltam informações. Uma situação sempre bem desagradável e que ocorre com alguma freqüência é quando o assessor insiste em vender uma pauta que você já descartou. Não adianta insistir, porque não é não. Outra coisa chata é quando o assessor manda o release e liga na hora para repetir o que o texto diz. A ligação vale quando se trata de uma pauta exclusiva e, de preferência, que seja entre as 14h e às 16h. Depois das 17h, quando entramos em fechamento, é quase impossível atender ao telefone. Às vezes, preciso tirar ele do gancho, para conseguir trabalhar (risos).

P: Aproveitando o gancho, há tanto tempo atuando em redação, como você avalia a atuação das assessorias?
L.R: Melhorou muito. Veja que há uma evolução no trabalho dos assessores. É comum receber alguns releases que, de tão bem escritos, acabam dificultando o nosso trabalho, pois quase não há o que editar. Você quebra a cabeça para mudar, fica procurando o que perguntar, mas o texto já está lindo, completo.

P: Como você avalia sua carreira?
L.R: Minha formação é no rádio, onde trabalhei durante 13 anos, quase sempre como editora, quase nunca como repórter. Aliás, sempre preferi escrever e editar, a atuar como repórter. A Gazeta é o único jornal impresso que tenho no currículo. Estou lá, entre idas e voltas há cinco anos. A Gazeta é um jornal mais elitizado, voltado para executivos, mas eu já escrevi para os mais diferentes tipos de público. Jornalista é jornalista em qualquer situação.

Paixão

"Explicar a emoção de ser palmeirense, a um palmeirense, é totalmente desnecessário. E a quem não é palmeirense... É totalmente impossível".

By Joelmir Beting

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

O dólar e a batata

Tá no Uol: Dólar cai e atinge menor nível em quase oito anos

Por Fabio Gehrke, Reuters

O dólar fechou em queda pela terceira sessão consecutiva atingindo o seu menor nível de encerramento em quase oito anos, aproveitando a melhora do cenário externo.

A moeda norte-americana caiu 0,52%, a R$ 1,725, seu menor nível desde 23 de março de 2000, seguindo o bom humor da bolsa paulista e o fluxo de entrada da divisa.

O dólar passou toda a manhã operando em alta, acompanhando a tensão do mercados frente aos números acima do esperado da inflação ao consumidor norte-americano combinado com os altos preços do petróleo.

Segundo Renato Schoemberger, operador da Alpes Corretora, o índice dos preços ao consumidor veio "praticamente em linha com as expectativas do mercado, este só deu uma reagida pontual".

Comento:
Queda do dólar é algo que me traz uma apetitosa e saborosa lembrança. Sabe batata Pringles? Pois é, na época da paridade R$ 1 = U$ 1, Pringles em Pedro Juan Caballero, Paraguay, divisa com Ponta Porã, MS, custa R$1. Quando fiz 11, os salgadinhos da minha festa foram oitenta latinhas de batatas Pringles, que custaram R$ 80. Fosse hoje, ao preço de R$ 7,20 que se paga nas Lojas Americanas, a brincadeira iria custar R$ 576. Não sei quanto está custando pringles hoje em Pedro Juan. Pois há seis anos não vou para lá.

Mas que seria legal voltar a comer as batatinhas (principalmente a de páprica) desembolsando só um realito, ah, isso seria...

Fidel, Iurd e o BBB 8

Recomendo a leitura do depoimento de Ruy Mesquita sobre Fidel Castro. Está na edição de hoje, do Estadão. A informação interessante fica por conta da defesa de que Fidel Castro, em seu princípio, não era um comunista. Para Ruy, ele acabou sendo empurrado para os braços da União Soviética, já que os Estados Unidos jamais apoiaria o regime que derrubou seu protegido Fulgêncio Batista. Em linhas gerais, Mesquita defende que, de liberal, Fidel se tornou um ditador comunista, enquanto seu irmão Raúl, que sempre foi adepto do Stalinismo, com o passar das décadas, está se tornando um socialista moderado.

A chamada de capa do UOL agora de manhã traz a notícia que Raúl Castro pediu ao presidente Lula que ajude cuba nesse momento de transição. Gostei, já que a outra opção dos cubanos seria pedir ajuda ao venezuelano Hugo Chávez – que hoje já ajuda a ilha, vendendo petróleu subsidiado e importando mão-de-obra médica. Aliás, um dos objetivos da viagem que Lula fez a Cuba no último mês foi para se aproximar dos sucessores de Fidel. Apesar do caráter esquerdista do governo petista, O Itamaraty avalia que a influência de Chávez sobre Cuba não interessa ao Brasil.

Veremos.
--

A ANJ publicou nota em que classificou como intimidação as diversas ações movidas por fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus, como tentativa de intimidação do trabalho da imprensa.

Alguma novidade?
Vergonha mesmo é a desculpazinha esfarrapada da IURD, que diz que respeita a liberdade de imprensa. Ahn, ahn, ta bom, conta outra.

É fato que a IURD induz seus fiéis a doarem dinheiro para a igreja, com a promessa de fortuna fácil. Isso é fácil de constatar, basta ir a um culto da Universal (eu já fui e sei do que falo).

É fato também que além da motivação religiosa – a IURD não suporta críticas – a briga envolve principalmente o poder da comunicação. Além de dona da TV Record, a igreja comandada pelo bispo Edir Macedo é dona de 30 jornais e possui inúmeras emissoras de rádio.

Mas a meu ver, a IURD erra na tática. A única coisa que a igreja conseguiu com essa tentativa de intimidação, foi jogar toda a imprensa contra o conglomerado evangélico. Basta ver que a nota emitida pela ANJ é hoje, tema de matéria em praticamente todos os grandes jornais do país. Não querendo subestimar o poder de fogo de Edir Macedo, mas jornalistas são corporativistas. Isso pode ser um grande tiro no pé que a IURD está dando em si própria.

Como diria o Odil, “pequenas igrejas, grandes negócios”. Ou adaptando para a Universal, “Grandes igrejas, negócios maiores ainda”.

--
O Fernando foi eliminado do BBB8. E eu com isso?

Não assisti nenhum pedacinho que seja dessa edição, não gosto do programa, e não sei quem é Fernando. Por isso, me senti praticamente uma ET ontem, no Pueblo Bar, quando a turma começou a comentar o programa.

cada vez que vejo alguém gastar mais que dois minutos para discutir BBB, eu tenho vontade de enfiar a cara na terra e sumir do planete. Nada contra quem goste, mas sabe como é, entre vez modelitos sem talento nenhum no cio e assistir ao History Channel, sou mais a segunda opção.

--
E mais tarde tem Palmeiras...

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Rapidinhas Alvi-verdes

O Ajax, como todo o futebol holandês só ergueu a cabeça lá pelo final dos anos 60, com aquele time surpreendente de Cruyff, sob o comando de Rinus Mitchels.

Naquela época, nós, por aqui, sequer imaginávamos que futebol era aquele que varria do mapa europeu as Juventus, os Benficas e os Barcelonas da vida.

No máximo, colhíamos algumas imagens esparsas daquele loirinho espigado e liso (Cruyff) varando defesas e marcando gols feito nossos mulatos e negros maravilhosos. Eis que, então, surge a notícia de que um fisicultor holandês estava fazendo estágio no Guarani de Campinas.

E o Zé Márcio Mendonça, hoje comentarista político, foi até lá desvendar-nos o mistério: afinal, que futebol era aquele, quais os seus segredos?

Na volta, Zé Márcio explicou, com gráficos e tudo o mais, o tal futebol-total dos holandeses. Por fim, ao pedir para o gringo personificar tudo aquilo, a resposta do holandês foi direta e sintética:

- Não sei qual a surpresa para vocês. Jogamos como joga o sr. Ademir da Guia.

(Em tempo: na Copa de 74, quando enfrentamos os holandeses, Ademir nem no banco ficou).

By Alberto Helena Jr.
--

O Palmeiras tem vários Rios pela frente...

AMANHÃ: PALMEIRAS X RIO CLARO
SÁBADO: PALMEIRAS X RIO PRETO
DIA 02/03: PALMEIRAS X RIO TIETÊ...

(By Dicarne - lista da Muda Palmeiras).

Essa é pracabá...

Há um tempinho, está rolando no YouTube, uma montagem que mostra discos voadores passeando por Araraquara.

O vídéo é bem engraçadinho, no melhor estilo Chapolim. Por isso, eu não sei se rio ou choro com algo que me deparei hoje.

Eis que abro site Terra e vejo... uma chamada para o vídeo na capa do site!

Considerando-se que hoje, Fidel Castro apenas RENUNCIOU ao posto de ditador cubano, eu não consigo decidir se o Terra virou um site de humor ou se minha profissão morreu e nunguém me falou sobre o enterro.

Dúvida? Veja...


E continua o lobby rosa

É isso ai. O imperador da cachaça pegou dois joguinhos de suspensão pela cabeçada que deu no Domingos, jogador do Santos, durante o clássico Bicharada X Baixada.

Alguma surpresa?

Há tempos, o lobby rosa do São Paulo FC pressiona árbitros e o STJD a favorecer o time do Jardim Leonor. Tanto que, apesar de ser um dos times mais truculentos durante o Campeonato Brasileiro do ano passado, o São Paulo conquistou "apenas" 12 pontos com a ajuda (intencional ou não) da arbitragem - para saber mais, clique aqui.

Obviamente, o tal julgamento só poderia dar no que deu: em nada.

Aliás, ou vi um argumento muito inteligente sobre a sentença do STJD: o Adriano não agrediu o Domingos. Queria mesmo é dar um beijo na boca dela.

Que acham??? Será que foi por isso que o Domingos, depois do jogo, afirmou que o Adriano não o tentou agredir?

A rosca tá queimando solta!

--
Fidel Renunciou

Hoje de manhã, estava ouvindo a CBN, vindo para o trabalho. Tive o prazer de acompanhar um debate entre o professor de Denis Rosenfield e um outro professor da UFSC que, de tão desprezível, não consegui gravar o nome. O tema do debate era a renúncia de Fidel Castro.

Confesso que tinha vontade de vomitar cada vez que o tal professor da UFSC falava. Só para variar, mais um intelectual comunista, que acha que a ilha do Fidel é a sétima maravilha do mundo. Os argumentos eram os de sempre: não existe analfabetismo, todos estudam, todos têm trabalho, a ilha só vive uma situação de penúria devido ao horripilante e malvado embargo ianque, e blá, blá. Não vou comentar a posição do Rosenfield, corretíssima, mas algumas questão não foram postas ao professor comunista e, por isso, quero lançar aqui.

1. Se o capitalismo é tão ruim, se os Estados Unidos são os monstros malvados, porque eles reclamam tanto do embargo americano?
2. Se Cuba é tão legal, porque os cubanos fogem de lá?
3. Se os latino-americanos desejam ter o padrão de vida dos cubanos, conforme afirmou o tal professor, por que não vemos ordas de pessoas tentando entrar desespedaramente em Cuba?
4. Por que os cubanos não podem viajar?
5. Por que o tal professor, que acha Cuba o máximo, não vai morar lá e pára de falar merda?

Aguardo, ansiosamente, as respostas. Mas elas tem que ser lógicas, ou não vale, ok?

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

A Farra dos Cartões Corporativos

Virou moda no orkut inventar as mais criativas dublagens para o filme "A Queda". A mais recente - e super bacaninha - é a que simula um papo do nosso adorado molusco presidente Lula comentando os gastos com os cartões corporativos.

Clique aqui e se divirta!

Palmeirenses lançam campanha contra patrocinadores da Jovem Pan

Brahma, Banco Santander, Lojas Cem, Dreher, Stech Materiais Elétricos, Engov e Wolkswagen Caminhões e Ônibus são empresas que estão na mira dos palmeirenses. No próximo sábado, dia 23, durante o jogo Palmeiras X Rio Claro, 10 mil panfletos serão distribuídos nas imediações do estádio Palestra Itália, convocando a torcida a boicotar as marcas, que são patrocinadoras dos programas de esporte da Rádio Jovem Pan, além da própria emissora.

A manifestação é uma reação ao editorial veiculado pela Jovem Pan no último dia 15, que acusou Luiz Gonzaga Beluzzo, diretor do Palmeiras, sócio da revista Carta Capital e presidente da TV Brasil, de incitar a torcida a boicotar a emissora. O objetivo da torcida é pressionar a Jovem Pan a emitir um pedido de desculpas oficial ao cartola palmeirense e aos torcedores do clube.

A Jovem Pan baseou o conteúdo do editorial em um e-mail assinado por um torcedor chamado Luiz Gonzaga, publicado no fórum "Palmeiras Todo Dia", criado e administrado por torcedores palmeirenses. No e-mail, o torcedor afirmou: "Se eu fosse diretor da Sociedade Esportiva Palmeiras proibiria a entrada de Fredy Júnior no clube Fim de papo. Aceitaria, inclusive, de bom grado, que a Jovem Pan fizesse a represália (sic) de nunca mais transmitir jogos do Verdão". O conteúdo chegou ao conhecimento da emissora que, achando que se tratava do diretor de planejamento do clube paulista, colocou no ar seu editorial, repudiando o conteúdo.


Ao perceber o engano, a emissora mudou o discurso e se apressou em dizer que o editorial foi baseado em um texto do verdadeiro Belluzzo, publicado em um blog do Portal Terra, no dia 11 de fevereiro, e não naquele assinado pelo autor desconhecido.

No texto em questão, Belluzzo critica o narrador Rogério Assis, da Jovem Pan. Disse ele: "Meu e-mail ficou entupido de vociferações e impropérios dirigidos ao narrador do jogo Palmeiras e Guarani. Rogério de tal, lotado na Jovem Pan, saiu-se com essa, ao narrar uma embaixadinha desnecessária e, digo eu, desrespeitosa do chileno: 'Se fosse jogador do Guarani, bateria no Valdívia'. Literatura de blog, sob a forma oral. Imagino, se escrita, quais seriam as respostas dos comentaristas. Arrisco uma: se fosse torcedor do Palmeiras, lhe daria umas porradas", afirmou o cartola.

Recentemente, os torcedores do Palmeiras lançaram uma campanha para que a Suvinil, patrocinadora do time, trocasse a logomarca estampada na manga da camisa palmeirense. A empresa acabou cedendo ao apelo da torcida e trocou o logo colorido por um totalmente branco.