segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Sobre Lula, fontes de informação e jornalismo

Do Blog do Noblat

Ao entrevistar Lula para sua mais recente edição, a revista Piauí deveria ter cobrado dele que desenvolvesse melhor alguns dos conceitos que defendeu ou afirmações que fez. Esta, por exemplo: "Não gosto de ser fonte porque eu acho que você estabelece uma relação promíscua com o jornalista, com o jornal, com a revista, com a televisão."

Há fontes que dão informações a jornalistas porque compreendem a natureza do seu trabalho - informar com correção ao distinto público. Nada cobram em troca - nem mesmo um tratamento privilegiado. Tais fontes são raras, é verdade. Esbarrei em algumas ao longo de 42 anos de jornalismo. O ex-ministro da Indústria e Comércio do governo Sarney, o empresário Roberto Gusmão, foi uma delas. O ex-senador Jarbas Passarinho, outra. Antes de assumir a presidência da República, Fernando Henrique Cardoso foi uma fonte preciosa de muitos jornalistas. Nem por isso chiava quando era criticado por eles.

A maioria das fontes repassa informação esperando em troca algum tipo de proteção do jornalista. Ou então que o jornalista embarque sem cuidado na informação que lhe foi oferecida.
Aí poderá se estabelecer, sim, uma relação promíscua entre o jornalista e a fonte. Aí a "veracidade" da informação quase sempre é a primeira vítima. Tudo depende do jornalista. Do seu maior ou menor grau de honestidade. Da sua experiência ou da falta dela.

Durante o regime militar de 64, Antonio Carlos Magalhães foi uma notável fonte de informações para alguns jornalistas nos quais confiava. Em compensação cobrava deles proteção. E obteve. O jornalismo econômico lida com números, realidades concretas, embora também sujeitas a interpretações. Imagino que praticá-lo seja menos arriscado.

É essencialmente pantanoso o terreno do jornalismo político. A política é feita com palavras, gestos e sutileza muitas vezes. As palavras são traiçoeiras. Nada mais fácil do que dar o dito pelo não dito ou o dito por incompreendido. Gestos costumam produzir fatos. Mas um fato consumado pode ser revogado por um fato novo.

Lula acostumou-se em ser notícia desde seu tempo de líder sindical. Nunca precisou ser fonte para agradar jornalistas e conseguir virar notícia mais tarde. A opinião que tem do jornalismo e dos jornalistas é tosca, primária. Não deve ter lido um único livro a respeito do assunto. É dono de uma excepcional inteligência. E um intuitivo por natureza.

Repete que nunca pediu a ninguém para escrever a seu favor. E que não seria o que é se não existisse a imprensa. Mas uma vez deixou escapar quase sem querer quanto o jornalismo livre e, por livre, crítico, lhe é incômodo. Foi quando disse que gosta mais de propaganda do que de notícia. Talvez tenha dito o que a maioria dos políticos pensa, mas guarda para si.

Nota do Blog: Elogios são fáceis de ouvir, mas as críticas sempre incomodam. Sonho com o dia em que os governantes terão paciência e serenidade para entender que ninguém é perfeito, principalmente eles mesmo. E que é por isso que é preciso, necessário e incondicional a existência de imprensa livre para a democracia. Mas talvez lá no fundo, todos nós sejamos mesmo pequenos ditadores, democratas totalitários que se acham perfeitos. Nosso presidente pensa que é Deus e faz questão de deixar bem claro que prefere ignorar aqueles que o fazem homem, mortal, que erra. Como nunca antes na história deste país...

Um comentário:

odildavid disse...

O que vc tem contra democratas totalitários (vou cobrar royalties pelo uso da expressão!)??