segunda-feira, 28 de setembro de 2009

A choradeira (duplamente) bambi começou

Não teve jeito: com cinco pontos à frente de Goiás e São Paulo e seis à frente do Inter, o Palmeiras definitivamente virou o alvo dos adversários.

Como muito já se falou da vitória de sábado, hoje quero comentar duas declarações dadas na imprensa, pelo volante Richarlysson, do São Paulo, e pelo vice-presidente de futebol do Inter, Fernando Carvalho. Vejamos as declarações:

"O futebol pune muitas coisas. Se pegar o jogo entre Palmeiras e Atlético-PR, foi um pecado. O Palmeiras fez seus gols em um chutão e em uma bola parada. Depois, o Danilo ainda tirou uma bola em cima da linha". (Richarlysson)

"Um dia o Palmeiras vai pagar. Ontem (sábado) mesmo, foi uma injustiça aquela vitória sobre o Atlético-PR. Eles têm vencido jogos no detalhe, e o detalhe pode acontecer também ao contrário. Por isso, nossas chances ainda são boas. Agora, temos de nos recuperar desse empate em casa vencendo o Coritiba no Couto Pereira". (Fernando Carvalho)

Sentiu o tom de recalque, dor de cotovelo e inveja? Parece discurso orquestrado. Sempre querendo desmerecer as vitórias do Palmeiras, sempre querendo por em dúvida o futebol do time e a legitimidade das nossas vitórias (como foi no jogo contra o Cruzeiro, que reclamaram de 900 pênaltis não marcados).

No caso do volante são-paulino, eu fico me perguntando se esse comentário é decorrente da falta de vergonha na cara ou da falta de mémoria mesmo. Afinal, o São Paulo ganhou 3 brasileiros jogando na retranca e fazendo gols via chuveirinho na área. Sobre o Fernando Carvalho, além dele ter descoberto a América (o futebol se ganha nos detalhes, ó), só posso dizer que ninguém tem culpa se eles têm um técnico incompetente.

Mas é aquela coisa... Deixa falar. Enquanto eles reclamam, choram, fazem birrinha, a gente vai se isolando cada vez mais na liderança.

Doze jogos para o título! Vai Palmeiras!

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Salto, mais que alto...

A Sociedade Britânica de pedicuros e podólogos propôs uma medida que está dando o que falar na Inglaterra. Com o argumento de que "se deve proteger a saúde das mulheres", eles querem proibir o uso de salto alto no trabalho. Não, você não leu errado: eles querem realmente proibir o salto alto. Segundo a tal associação (que já conseguiu apoio dos médicos britânicos), esse tipo de sapato causa problemas no próprio pé, no joelho e na coluna. E esses riscos são potencializados quando a mulher usa um sapato extremamente desconfortável só em nome da beleza. Segundo a porta-voz da tal sociedade, a ação dará às mulheres "direito de escolha": "Há mulheres que são obrigadas por seus empregadores a usar salto alto como parte do código de como se vestir no trabalho".

Por partes: primeiramente, em nome de uma minoria de setores que exigem o uso do salto alto, como o de aviação, por exemplo, quer se aplicar uma proibição geral. Sempre usando argumentos tidos como humanitários (a associação só quer ajudar as mulheres a terem mais saúde), se proíbe algo que soa tão ridículo quanto a proibição que alguém use roupa preta num país quente porque ela absorve calor e pode fazer a pessoa passar mal, por exemplo (espero que nenhum defensor da minha saúde leia isto e resolva colocar esta proposta em prática). Segundo, a medida simplesmente ignora o direito da escolha da mulher.

Quando alguém vai trabalhar em uma empresa, conhece de antemão as regras que é preciso cumprir para se tornar colaborador. Por isso, quando uma aeromoça opta por ter que usar saltos altos em troca de seu salário, ela toma essa atitude porque sabe que os benefícios que terá tendo aquele trabalho podem compensar os eventuais problemas de saúde que ela poderá ter por usar salto durante o expediente. A Sociedade Britânica simplesmente esquece-se de que as mulheres que usam salto, usam porque escolheram voluntariamente aquela profissão. Se elas realmente se sentirem incomodadas, elas podem tentar negociar a mudança na regra ou simplesmente procurarem outro emprego.

Por último, gostaria de lembrar que grande parte das empresas de médio e grande porte, como é o caso das companhias aéreas, costumam oferecer planos de saúde para seus funcionários. Por isso, uma funcionária que eventualmente tenha algum problema de saúde decorrente do uso do salto alto poderá utilizar o plano de saúde subsidiado pelo empregador para custear seu tratamento.

Resumindo, essa medida é mais uma atitude totalitária travestida de argumentos solidários que visam proteger as pessoas delas mesmas, ignorando as escolhas individuais de cada pessoa.

Não adianta surtar...

A rodada só acaba a meia noite.

O campeonato só acaba em dezembro.

E homem só fica com uma mulher se ele gostar dela e ponto.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

O tempo passa para todos...


A Barbie aos 50 anos...


sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Sem querer ser chata, mas...

Depois tem gente que reclama que torcedor é mala, blá, blá, blá. Eu concordo que torcedor é uma raça muito chata, mas tem gente que pelamor de Deus, pede pra ser xingado.

Quem?

O Lance, claro.

Entro na página do Palmeiras no Lancenet e me deparo com as seguintes manchetes:

"Edmílson se esquiva de poêmica com K9"
"Muricy: pior aproveitamento em 2009".
"Verdão vê erros na defesa só como lapso"
"Muricy treina passes à exaustão na academia".

Oi? Estamos a pontos de sermos rebaixados, é isso? Ou somos os líderes do campeonato e a má vontade + falta de criatividade + falta de cérebro do editor de página leva o sujeito e colocar esse monte de manchete negativa?

Enquanto isso, na página rosa... "Tricolor Jason prepara mais uma vingança".

Jesus me chicoteia!!! É sério!!! Não é inveja, dor de cotovelo, nem nenhum mimimi que os bambis adoram, mas oi? Isso é um jornal ou um blog bambi?

Repito: sem querer ser chata, mas já sendo, digo: o Lance é um lixo!!!

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

MPA - Mídia Palestrina Alternativa

Eu sou favorável a uma mídia palestrina alternativa. E vou explicar por que.

Há tempos atrás, surgiu um movimento na internet de blogs independentes que procuravam mostrar notícias, opiniões e análises do Palmeiras com toda a subjetividade e criticidade que só o torcedor do Palmeiras sabe passar. O negócio foi crescendo e acabou sendo nomeado Mídia Palestrina. Era a salvação para o torcedor que não suportava mais as opiniões gambás, bambis e sardinhescas da mídia tradicional. Incluindo a dos jornalistas palmeirenses que, sem excessão, todos já foram xingados por todos os torcedores (incluindo eu mesma) de gambá, bambi, etc, etc.

Whatever, sei que, um dia, a Mídia Palestrina viu seus sonhos serem realizados. O Palmeiras finalmente se livrou de uma era de morte e escuridão e foi salvo pelo Belluzzo (que está fazendo uma boa gestão, apesar dos tropeços no início, diga-se de passagem).

E ai é que a coisa toda perdeu a graça.

Agora, todos se engalfinham por seu naco de poder. Eu entro na Mídia Palestrina e só vejo os blogueiros se acusando mutuamente, se xingando e todo aquele mimimi básico. Acontece que a diretoria do Palmeiras e a nossa atual patrocinadora resolveram abrir espaço para um diálogo direto com alguns sites da MP. E como não se estabeleceram regras claras, a casa caiu. As reclamações são de todos os tipos. Já vi blogueiro reclamar que não teve acesso a salas de imprensa, enquanto outros tiveram; já vi blogueiro reclamar de que não foi convidado para o evento X ou Y e o cicraninho foi. E blá, blá, blá, blá, blá.

Como eu disse há um certo tempo atrás, essa vida de jornalista não é fácil. Se você quer ter amigos, mude de profissão. Eu mesma mudei de área, porque conclui que ficar sendo xingado permanentemente por colegas de profissão, cartolas, jogadores, torcida e o escambau a quatro é só pra quem tem MUITA paciência. O que não é o meu caso.

Muita gente torceu o nariz para mim quando disse que achava errado um blogueiro (aquele que emite opiniões, não escuta os dois lados e é parcial) se considerar jornalista. Continuo achando porque tenho uma opinião muito clara sobre o que é jornalismo. Anyway, vejo que essa mistura de "penso que sou jornalista" + "preciso de carinho, amor, atenção e pessoas puxando o meu saco" vai foder de vez com tudo. Essas briguinhas por credenciais e convites mostram claramente isso.

Quem perde?

Bom, eu perco. Dos mais de cinco blogs que eu lia diariamente há um ano, estou lendo apenas um. Porque eu simplesmente não tenho saco pra ler os outros. Porra, tá certo que perdemos, mas o Palmeiras é líder e o povo fica brigando? Não, eu não consigo entender. E como não posso obrigar ninguém a mudar de postura, eu simplesmente paro de ler o que acho chato. Basicamente isso.

Sei que posso ser uma minoria entre os palmeirenses que dão audiência à MP. Até porque tem gente que simplesmente adora um barraco e pronto. Eu mesma faço a mea culpa e confesso que já contribui para um barraco daqueles na MP (embora não tenha sido a intenção e eu continue achando que blog é diferente de jornalismo em 99% das vezes). Acho que errei na maneira como expus minha opinião, embora eu a sustente hoje para qualquer um. Enfim, o que quero dizer é que essas brigas todas entre pessoas que querem a mesma coisa (o Palmeiras campeão) é muito chata e não contribui com nada. Essa postura beligerante só traz mais confusão e por isso, sou favorável a uma Mídia Palestrina Alternativa com bom humor, rock 'n roll e muitos posts enviados diretamente do bar da piscina, com todo mundo escrevendo de biquíni e sunga enquanto toma uma cerveja gelada.

Ok, isso nunca vai acontecer. Mas tenho certeza que se a minha proposta se concretizasse, a MP voltaria a ser muito mais divertida. Assim como era antes.

Porque aqui é Palmeiras, caralho, não o blog X, Y ou Z. Tá?

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Entendendo o Capitalismo

CAPITALISMO IDEAL
Você tem duas vacas. Vende uma e compra um touro. O rebanho se multiplica, você faz os investimentos necessários em saúde e a economia cresce. Você vende parte do rebanho e investe em novos empreendimentos, gerando emprego, riqueza e renda.
-------------------------------
CAPITALISMO AMERICANO
Você tem duas vacas. Vende uma e compra um touro. O rebanho se multiplica, você faz os investimentos necessários em saúde e a economia cresce. Você vende parte do rebanho e investe em novos empreendimentos, gerando emprego, riqueza e renda.
Ao se aposentar tem a uma aposentadoria digna que lhe permite usar sua experiência em causas sociais e voluntárias.
-------------------------------
CAPITALISMO FRANCÊS
Você tem duas vacas. Entra em greve porque quer três.
-------------------------------
CAPITALISMO CANADENSE
Você tem duas vacas. Usa o modelo do capitalismo americano. As vacas morrem. Você acusa o protecionismo brasileiro e adota medidas protecionistas para ter as três vacas do capitalismo francês.
--------------------------------
CAPITALISMO JAPONÊS
Você tem duas vacas, né? Redesenha-as para que tenham um décimo do tamanho de uma vaca normal e produzam 20 vezes mais leite. Depois cria desenhos de vacas chamados Vaquimon e os vende para o mundo inteiro.
-------------------------------
CAPITALISMO ITALIANO
Você tem duas vacas. Uma delas é sua mãe, a outra é sua sogra, maledetto!!!
-------------------------------
CAPITALISMO BRITÂNICO
Você tem duas vacas. As duas são loucas.
-------------------------------
CAPITALISMO HOLANDÊS
Você tem duas vacas. Elas vivem juntas, não gostam de touros e tudo bem.
-------------------------------
CAPITALISMO ALEMÃO
Você tem duas vacas. Vende uma e compra um touro. O rebanho se multiplica, você faz o pagamento de altos impostos, o governo presta bons serviços na área da saude e controle e a economia cresce. A vaca produz leite pontual e regularmente, segundo padrões de quantidade, horário estudado, elaborado e previamente estabelecido, de forma precisa e lucrativa. Mas você o que você queria mesmo era criar porcos.
--------------------------------
CAPITALISMO RUSSO
Você tem duas vacas. Conta-as e vê que tem cinco. Conta de novo e vê que tem 42. Conta denovo e vê que tem 12 vacas. Você pára de contar e abre outra garrafa de vodca.
-------------------------------
CAPITALISMO SUÍÇO
Você tem 500 vacas, mas nenhuma é sua. Você cobra para guardar a vaca dos outros.
-------------------------------
CAPITALISMO ESPANHOL
Você tem muito orgulho de ter duas vacas.
-------------------------------
CAPITALISMO PORTUGUÊS
Você tem duas vacas... E reclama porque seu rebanho não cresce...
-------------------------------
CAPITALISMO CHINÊS
Você tem duas vacas e 300 pessoas tirando leite delas. Você se gaba muito de ter pleno emprego e uma alta produtividade. E prende o ativista que divulgou os números.
-------------------------------
CAPITALISMO HINDU
Você tem duas vacas. Ai, de quem tocar nelas.
-------------------------------
CAPITALISMO ARGENTINO
Você tem duas vacas. Você se esforça para ensinar as vacas a mugirem em inglês... As vacas morrem. Você entrega a carne delas para o churrasco de fim de ano ao FMI.
-------------------------------
CAPITALISMO BRASILEIRO
Você tem duas vacas.
Uma delas é furtada. A Polícia Técnico-científica encontra os vestígios necessários para apontar o culpato, mas o Ministério da Justiça liberta o indiciado, pois um é petista, outro do MST e outro pertence as FARC, justificando o furto ter sido realizado por razões ideológicas aprovadas pelo Foro San Pablo.
O governo cria a CCPV - Contribuição Compulsória pela Posse de Vaca. Um fiscal vem e lhe autua, porque embora você tenha recolhido corretamente a CCPV, o valor era pelo número de vacas presumidas e não pelo de vacas reais. A Receita Federal, por meio de dados também presumidos do seu consumo de leite, queijo, sapatos de couro, botões, presume que você tenha 200 vacas e, para se livrar da encrenca, você dá a vaca restante para o fiscal deixar por isso mesmo...

A hipocrisia de Lula

Quando estava na faculdade precisei, certa vez, fazer um trabalho sobre um livro do Washington Novaes. Neste livro, havia uma frase que jamais me esquecerei e que sempre me vem à mente quando leio jornais. "Os políticos precisam aprender a conviver com críticas".

Diferente do que parece ser um consenso, para mim, o presidente do Brasil, Lula, não tem nada de democrático. Ele até respeita as instituições democráticas, mas apenas porque agir diferente seria prejudicial à imagem dele. As constantes declarações tentando desclassificar qualquer pessoa ou grupo que tente protestar contra suas ações é um claro exemplo de como nosso presidente não suporta ser contrariado.

Faça-se um parêntese: eu não acredito na democracia. Para mim, ela é a ditadura da maioria que oprime quem pensa diferente e ponto. Além do que, as massas costumam ser papagaios de pirata sem opinião formada que apenas repetem o discurso mais sedutor e ponto. No caso do Brasil, seguem aquilo que Lula fala.

Hoje estava lendo a Folha quando vi a matéria sobre o protesto promovido em Roraima em razão da visita do presidente. O contexto: Um grupo de pessoas que foram despejadas do latifúndio "Raposa do Sol"tentavam protestar contra a expulsão deles do local, jogando ovos no presidente. Confesso que quase tive vontade de parar de ler o jornal quando vi o Lula dizendo que "quem leva ovo pra tacar não é trabalhador, é que tem dinheiro pra comer outras coisas, porque trabalhador come ovo em lugar de jogar nas pessoas".

Ou seja: o nosso presidente tentou desclassificar à ação segundo termos pregados pela própria cartilha do PT, tentando dar a entender que quem pode jogar um ovo fora é "burguês", logo, não tem legitimidade para protestar. Ou seja: se você não é um morto de fome, você não pode protestar.

Nessas horas, gostaria de ser repórter e perguntar ao Lula o que ele acha dos inúmeros protestos realizados pelo MST, Via Campesina, grupos indígenas, radicais de esquerda que: 1) tacaram fogo em milhares de hectares de plantação, desperdiçando comida que poderia servir de comida ao povo; 2) quebraram centro de pesquisam que geravam empregos; 3) depredaram universidades públicas, que são sustentadas com o dinheiro de todo mundo, inclusive do trabalhdor coitadinho que não tem onde cair morto. Será que nesses casos, de protesto promovidos por grupos ligados ao PT e ao governo que está ai, Lula também tentaria desclassificar os protestos tal como fez em relação à ação em Roraima?

Hipócrita.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Post sem acento

Os acentos se foram. O computador foi formatado, tudo se apagou. Inclusive os acentos. Eu nao tenho como acentuar a palavra nao. Meu eh tem um H em lugar do acento. Acabou a ilusao de que era possivel escrever sem acentos. Porque os acentos se foram, e nada vai mudar isso. A menos que se apague os acentos da minha memoria, para que esqueca completamente que um dia eles existiram, os acentos continuarao a martelar na minha cabeca. Nao ha acentos. E eu nao sei o que fazer.

Porque os acentos eram a pureza, a prova de que tudo poderia ser correto, que tudo seria sempre lindo. Mas os acentos se foram e ficou a verdade nua e crua: as palavras sem acentos existem: desfiguradas. A vida sem acentos eh torta, perigosa e imprevisivel. Mas eu nao tenho mais acentos. Soh me restam as palavras desfiguradas que mostram a essencia exotica de tudo.

Eu nao tenho acentos. Tem algo errado com isso. Eu preciso entender porque os acentos se foram. Eu preciso entender como faco para tocar minha vida, sem acentos. E o que fazer com as palavras que restam...

São Pedro está lavando o céu com torneira de bombeiro

Muita gente não entende como eu, uma matuta do inteiro do Mato Grosso do Sul, que viveu mais da metade da vida numa cidade de 10 mil habitantes, pode viver em São Paulo - e adorar a dor e a delícia que é a vida nesta cidade.

Eu sei que é confuso e muitas vezes, eu mesma me pergunto que diabos faço aqui. Principalmente em dias como hoje, com muita chuva - mas MUITA CHUVA MESMO. O melhor comentário para definir São Paulo hoje eu vi no twitter - e é o título desse post. O clima daqui é mais instável que meu humor durando a TPM, o que te faz ter que carregar guarda-chuva, blusa de frio e de calor, para se prevenir das mudanças repentinas vindas do céus, diariamente.

Apesar de esse ser um fator que me irrita muito por estas bandas (afinal, minha rinite fica aqueeela coisa), confesso que o trânsito é algo que me faz ter vontade, sometimes, de me enfiar no meio do mato. Hoje, graças ao oceano que desabou dos céus, promete ser um dia daqueles - e a Iguatemi já deu a amostra de que devemos bater fácil os 150 km de congestionamento na volta para casa.

Hoje, uma da tarde, resolvi me arriscar a sair do escritório para comprar alguma coisa - qualquer coisa - para comer. Estava desabando o mundo e meu guarda-chuva, infalível, me salvado de ficar completamente molhada. Ao sair do prédio, aquele barulho INFERNAL: buzinas de diferentes tons, intensidades e altura se alternando num cruzamento completamente parado e sem qualquer perspectiva de mobilidade em curto prazo.
Para quem não é de São Paulo, esse relato pode parecer insano ou simplesmente surreal. Para quem mora aqui, é parte do cotidiano. O paulistano perdeu completamente a indignação diante de algo que parece tão absurdo para o resto da população brasileira.

Caminhando, eu confesso que mais do que o trânsito - que ainda me assusta deveras, mas estou começando a não considerá-lo o fim do mundo - o barulho das buzinas é algo chocante e absurdo. Não consigo entender qual é a causa, motivo, razão ou circuntância que leva pessoas aparentemente normais a ficarem freneticamente apertando oa buzina do carro, sabendo que ao executar esta ação, absolutamente nada de diferente irá acontecer. Ou, de maneira mais clara, com buzina ou sem buzina, o trânsito continuará parado.

Sei que muitos podem alegar que isso é uma terapia - na vontade de descontar em alguém/alguma coisa a raiva pelo trânsito caótico originário da soma de excesso de carros + chuva + inércia governamental, é preciso descontar a raiva de alguma maneira. E viva a buzina!

Pode ser coisa de matuta do interior, mas continuando achando que essa forma de protesto/alívio de stress é tão ineficiente quanto as ações governamentais para melhorar o trânsito em São Paulo. Aliás, a única coisa que realmente melhorou o trânsito em São Paulo foi a gripe suína, que adiou a volta às aulas da molecada. Como aqui não é a Nova Zelândia e não dá pra ter aulas apenas nos dias 31 e 32 de fevereiro (essa piada só quem for do tempo da TV Colosso vai entender), o jeito é encontrar uma solução alternativa que dê uma aliviada no stress da turma que está ao volante - já que melhorar o trânsito parece algo tão plausível quanto quanto passar as próximas férias em Júpiter). Qual, eu não sei dizer, mas pensei em algumas coisas e gostaria de ouvir a opinião dos leitores deste blog. Vamos a elas:

1) Distribuição de cervejas "de grátis" nas ruas e avenidas mais congestionadas;
2) Distribuição de vibradores para meninas e bonecas infláveis + DVD portátil + filme pornô para os meninos;
3) Distribuição de bolsa-helicóptero, para que parte da população se desloque pelo céu;
4) Dsitribuição do vale-puteiro para que boa parte da população masculina retarde a volta para casa;
5) Distribuição do bolsa-happyhour, para que parte da população fique bebendo no bar e pegue o trânsito depois da hora do rush;
6) Obrigar os fabricantes de automóveis a incluirem como item de série um dispositivo que solta gás de pimenta toda vez que alguém aperta a buzina mais que duas vezes por minuto.

Bom, estas foram algumas soluções que pensei. Porque é muito, muito, muito, muuuuito chato ficar ouvindo esse povo buzinando desesperadamente. Não há humor que suporte esse povo que só sabe apertar a buzina. Definitivamente, pior que qualquer coisa em São Paulo, é esse monte de gente que não para de buzinar e que quase me fazem gostar das vuvuzelas da África do Sul.

A matuta do interior se acostumou com tudo na cidade grande e divertida: trânsito, poluição, violência, grandes, distâncias, etc. Só não se acostuma com a falta de educação dos motoristas que acham que vão separar as águas do Mer Vermelho (ou abrir uma passagem no meio do congestionamento) apertando as malditas buzinas que só fazem piorar o barulho na cidade e irritar até quem está apenas caminhando e tentando não se estressar com a infra-estrutura caótica da maior metrópole do Brasil.

domingo, 6 de setembro de 2009

Ainda líder...

Mais uma rodada, nenhum asterisco na tabela, nada mudou. Palmeiras líder e cada vez mais jogando no estilo Muricy. Sufoco, dois gols cagados e vitória. Mais três pontos na tabela e liderança garantida.

Agora só faltam 15 jogos para o título. Simples assim. E terminou por aqui dizendo que tudo conspira ao nosso favor. Só deixaremos de ser campeões se quisermos.

Vai, Porco!!!

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

A melhor definição sobre o que é um Deus Grego que já vi






Saki Rouva, cantor grego, eleito o homem mais bonito do mundo.
Nota do blog. Me dá fôlego, Jesus!

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Questão de vestibular

As afirmações abaixo foram feitas pelos gênios do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o IPEA, órgão que realiza estudos para definições de "políticas econômicas", que definirão o futuro do Brasil.
- Poupança é sempre ruim;
- Fazer poupança é deixar dinheiro embaixo do colchão;
- Emissão de papel moeda não causa inflação;
- Crédito é uma coisa, poupança é outra;
- É suuuuper normal criar dinheiro dinheiro do nada e isso faz muito bem;
- Devemos ter reservas de produtos "estratégicos" para combater a inflação;
- Bolhas são normais e inerentes ao "capitalismo";
- A crise é culpa do "sistema" e ela só não acabou com o mundo graças ao governo;
- Um setor privado forte precisa ter um governo forte.

Diante das afirmações acima, assinale a alternativa correta:
( ) A turma do Ipea faz inimigos bebendo leite;
( ) Puseram cachaça na água do palestrante;
( ) A diretoria do Ipea estudou economia pelo Instituto Universal Brasileiro;
( ) É por isto que o Brasil é esta merda
( ) Todas as alternativas anteriores.

A grande besta do Apocalipse

(ou, uma piada interna sobre regulação x liberdade)

A grande besta do Apocalipse já está na terra e o adoramos desde 1930. Seu nome é John M. Keynes e ele é o grande responsável por todas as merdas que tem acontecido na economia nos últimos 80 anos.

Assim como diz o apocalipse, Lorde Keynes se transformou no grande mentor de todos os líderes políticos. Sua teoria de intervenção estatal que ajudou a impulsionar consideravelmente os ciclos econômicos, criando bolhas que inflam e desinflam cada vez mais em curtos períodos, está levando o mundo para o apocalipse financeiro, por meio da sua promessa falsa, típica do capeta, de felicidade sem riscos ou responsabilidades.

Lorde Keynes é a reencarnação do mal, do capeta, ou seja, de Marx. Aliás, Keynes é a versão "lulinha paz e amor" de Marx. Mas, não se enganem. No fundo, ambos só querem a dor e o ranger de dentes na terra. Sua estratégia, assim como fizeram com Jesus Cristo, se resume em desqualificar o salvador, acusá-lo de ser o traidor que quer destruir todos.

Mas, assim como jesus, a liberdade, que foi crucificada, dando sua vida por toda a humanidade, ressucitará e salvará o mundo dos pecado intervencionistas.

O mal não vencerá. E aqueles que não estão com Jesus, perecerão junto com a besta e o anti-cristo no quinto dos infernos.