terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Cinco minutinhos de fama



http://colunas.sportv.globo.com/lediocarmona/2010/01/18/che-e-a-violencia-no-futebol/

http://www.interney.net/blogs/deprimeira/2010/01/18/comecou_bem/

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Ou vai, ou racha

Num longínquo 6 de dezembro de 2009, eu resolvi ficar um bom tempo sem pensar/falar/escrever sobre futebol. É claro que não preciso explicar os motivos aqui. Mas, depois de quinze dias de mar, cerveja e vida mansa e nenhum notícia sobre nada, resolvi voltar ao tema Palmeiras, principalmente levando-se em conta que estamos às vésperas do início do calendário de futebol que realmente vale alguma coisa – os estaduais (Copinha não conta).

E o Palmeiras?

Marcio Araújo (volante, ahaha), Léo (zagueiro), Eduardo (lateral-esquerdo) e Edinho (volante). Ninguém sabe se Vagner Love fica ou vai (tomara que vá pra puta que o pariu). Ninguém sabe se Kleber e Marcelo Moreno vêm. Fala-se em um meia (Douglas). Alguns jogadores foram dispensados – Obina, Maurício, Marcão, Jumar, Willians. E tem os jogadores que estão disputando a Copinha, que estão sendo observados pelo Muricy. Por ora, Não chegou nenhuma proposta por Diego Souza ou Claiton Xavier. E Danilo foi comprado definitivamente pelo clube.

Resumindo: Muricy está finalmente podendo montar um time com a sua cara. E este é exatamente o meu medo. Continuo cética em relação ao Muricy, não por ele não ser bom treinador, mas por adotar um estilo de jogo que 90% da torcida odeia. Ok, vocês podem me dizer: “mas o tempo da academia acabou, o importante é ganhar títulos”. Eu até concordo, mas conhecendo as arquibancadas do Palestra Itália como eu conheço, duvido muito que na primeira vez em que o Muricy trocar um volante por outro, não vai ter neguinho xingando o técnico de tudo quanto é nome.

De qualquer forma, como não vi jogo treino, eu não posso dar uma opinião formada sobre o que esperar do Palmeiras. O que está me preocupando é que, de novo e aparentemente para sempre, estamos cometendo os mesmos erros na pré-temporada: demora nas contratações, negociações que viram novelas mexicanas e o time estreiando no Paulista sem ter a equipe completa.

E eu sei que várias negociações estavam em andamento e que a perda da vaga na Libertadores atrapalhou, mas isso não é desculpa, e o exemplo do que quero dizer está em Inter e Corinthians, que conseguiram montar excelentes times ano passado para a disputa da Copa do Brasil. Por que o Palmeiras não consegue fazer o mesmo?

Outro fator a se considerar é que nosso técnico não tem o melhor currículo do mundo em campeonatos por mata-mata. E teremos Copa do Brasil, semifinais e finais do Paulistão no primeiro semestre, sem falar na Sulamericana na segunda metade do ano. Ou seja, três das principais competições do ano não são decididas em pontos corridos. E (espero do fundo do meu coração queimar minha língua) não acredito que temos chance de título no Brasileiro (Libertadores, se o trabalho for feito bonitinho, provavelmente).

Sim, talvez eu esteja sendo pessimista, e talvez isso seja reflexo da última rodada do Campeonato Brasileiro de 2009. O que penso é que, por ora, tudo está muito parecido com 2008 e 2009. Dois anos emblemáticos, em que nosso futebol evoluiu muito (não vamos nos esquecer do quase rebaixamento em 2006). Mas, para uma diretoria que se propôs a mudar de verdade o Palmeiras, 2010 é o ano chave. É o ano do vai ou racha. Temos que ganhar um título esse ano de qualquer maneira. Copa do Brasil, Brasileiro ou Sulamericana. O Paulista é obrigação, principalmente considerando que Corinthians e São Paulo estarão preocupados com a Libertadores. Esse é o ano de Belluzzo & Cia mostrarem serviço. O técnico é o escolhido por ele, o time é o time do técnico.

Agora não tem desculpa. Ou levantamos algum caneco, ou é hora de fechar a lojinha.

sábado, 9 de janeiro de 2010

2010

No primeiro post do ano (na verdade, é mais um recadinho do que um post), eu não vou falar de economia, nem futebol e nem política. Na verdade, eu não sei o que escrever. Fiquei 15 dias sem nenhuma notícia do mundo. Nada de internet (só para o básico), TV, jornal, rádio... Nadica de notícia. Foi só praia, cerveja, camarão e torpedos. No máximo, ou olhadela no JN.

Resultado: descobri que é bom ser ignorante. Você vive bem mais feliz quando não precisa de preocupar com o Lula, o Serra ou com os duzentos volantes do Palmeiras.

Feliz 2010!