segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Um depoimento

Achei tão lindo o depoimento do Rubens na lista da Chapa Academia, sobre as eleições para o conselho do Palmeiras que achei que precisava dividir com todos. Tá ai um exemplo de dedicação e de desprendimento que deveria ser seguido por todos.


Sofri, neste sábado, minha primeira derrota nas eleiçōes para o Conselho do Palmeiras.
Foi uma derrota dura. Não apenas pelas expectativas que eu tinha em relação ao pleito, mas também pela maneira como ela se deu.
Apesar da derrota, eu tenho muito a agradecer.
Agradecer a cada um de vocês que se empenhou nesta eleição
A cada um que foi votar.
A cada um que foi votar e teve disponibilidade de tempo para aguardar, em pé, debaixo de sol, numa fila que demorou, em media, uma hora e quarenta minutos.
Gostaria de agradecer a cada um de vocês que viabilizou com garra e perseverança a Chapa Academia. A cada um que fiscalizou por horas a fio.
Mas a lamentação acaba aqui.
Por trás da minha derrota individual, houve uma expressiva vitória: a Chapa Academia elegeu quatro conselheiros e um suplente.
Parece pouco, mas é uma semente de bonança na vida política do Palmeiras. Uma semente que vai se juntar a outras que já estão sendo lançadas por aí.
Porque, olhando friamente, o que se passou neste sábado na Sociedade Esportiva Palmeiras foi revoltante.
Centenas de pessoas abrindo mão do seu direito de votar por causa de uma eleição caótica e mal organizada. Intencional ou não, escancara-se ou uma incompetência acachapante ou uma competência repugnante.
A realidade é ainda mais hostil.
Por trás de uma eleição desrespeitosa, está um clube em convulsão.
Passei nove horas consecutivas conversando com eleitores nesta fila condizente com a nossa fome de títulos.
Há grupos apavorados com a perspectiva de uma democracia plena. Há indivíduos que se comportam como donos do clube, há ditadores, há uma legião de descrentes, há até os revoltados com as obras da Arena porque julgam que o espaço do social vai diminuir.
Há também os que, como nós, estāo lá pelo amor que nutrem pela Sociedade Esportiva Palmeiras.
Desta Babilônia esfacelada, saí com a convicção pura de que a diversidade, a força e o brilho dos mais de 15 milhōes de palmeirenses está longe de ser representada no clube e no Conselho.
Essa multidão de admiradores que abraçou o clube italiano que tornou-se brasileiro em 1942, que celebrou o Campeoníssimo em 51, o octocampeão Brasileiro, o Campeão das Américas, dos Carranzas, essa gente vencedora, briosa, que espalhou-se pelo Nordeste, Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Chile, Colômbia, e até Japão, essa gente está escondida.
Muitas destas faces estão distantes da condução deste clube que precisa, urgentemente, se reinventar.
Exatamente por isso, venho aqui engrossar o côro do que já aderiram à luta.
Você que não é sócio, respire fundo, arrume um tempinho e dirija-se AMANHÃ ao Palestra e associe-se! Sem você não iremos conseguir.
Financeiramente, o Palmeiras é um dos clubes mais acessíveis da cidade de São Paulo.
Você que já é sócio, aproxime-se da Chapa Academia. Ou de algum dos outros poucos movimentos sadios que existem dentro do clube.
Você precisa e pode contribuir!
Neste domingo pela manhã, fiquei olhando para a nova ciclovia paulistana que sai do Parque Villa-Lobos, passa pelo Parque do Povo e chega ao Parque Ibirapuera. Ela é um exemplo de ocupação de um grupo oprimido. Ela é o exemplo de que quando um grupo oprimido tem uma causa legítima ele tem condições de ir e tomar conta de seu espaço. Milhares de “escondidos” tem acordado no domingo, pegado suas bicicletas e ocupado duas faixas desta cidade poluída e automotiva. E vem dando um exemplo para todos nós.
É isto o que precisamos fazer no Palmeiras. Precisamos tomar o nosso espaço.
Pela primeira vez temos uma Chapa trabalhando por propostas e ideais e não por pessoas. E ideais são maiores do que pessoas.
O Palmeiras está próximo de seu centenário. O Palmeiras é um dos clubes mais expressivos do país do futebol. O Brasil sediará uma Copa do Mundo. E uma Olimpíada. É hora de agir!
Amigos, ontem o sorriso de celebraçāo do Mustafá Contursi contrastava com minha agonia entre idas e vindas na fila, telefonemas e um sentimento de impotência.
Mas isto não ficará assim. Há muito o que fazer e o jogo está aí para ser jogado. Com profissionalismo, com paixão e com a ética de todos nós.
Ontem, a Chapa Academia nasceu de verdade e o Palmeiras deu um passo largo, destes de Ademir da Guia, para um futuro decente.
Wilson Gonçalves, Ricardo Galassi, Savério Orlandi e José Carlos Tomaselli, com a suplência do Cleidson Diniz Teixeira, são os nossos representantes.
São eles que darão suas faces na nossa luta pelas eleições diretas, pela reforma do estatuto e pela profissionalização do clube.
Desejo a eles muita força e sorte nesta grande batalha. E coloco-me à disposição para o apoio necessário.
Rubens Ferraz de Oliveira Lima Filho