sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

O que esperar quando você está esperando?

Quando contei para minhas amigas sobre a gravidez, uma unanimidade que escutei foi: "leia o livro O que esperar quando você está esperando". Achei interessante e aposto que toda grávida deveria fazer isso mesmo. Mas como sou do contra (na verdade, como estou sem tempo nem pra respirar), não li o livro e nem vi o filme. Oras, então por que o título desse post? Porque, sim o tema dele é sobre o que esperar enquanto você espera o momento do bebê dentro de você nascer. Porém, é a minha visão particular sobre peculiaridades da gestação que não se encontra facilmente por ai. 

Primeiro de tudo: gravidez não é bolinho. Não é doença, mas você também não pode agir como apenas estivesse com uma barriga maior e ponto. Seu corpo muda completamente, em todos os aspectos. Seu cabelo pode ficar lindo e crescer mais rápido, assim como suas unhas. Mas ele também pode ficar mais quebradiço. E depois que a barriga tiver pesada, se ele não for liso, esqueça fazer escova em casa. Você não terá forças nem saco. Porque , exceto por um pequeno período no segundo trimestre, o cansaço vai te acompanhar ao longo da gestação. No primeiro trimestre, a gente fica cansada e enjoada. No terceiro,cansada, com dores lombares e azia. Se você for sortuda como eu, terá enjoos e azias ao longo da gravidez inteira. Isso significa que você vai querer dormir e rezar para que a tão esperada 40ª semana chegue o mais rápido possível.

Na gravidez também aparecem doenças que você nunca teve. Mulher que sempre teve pressão baixa por ter pressão alta. Sua glicemia sempre foi controlada? Mesmo assim, você pode ter diabetes gestacional. Ou pode surgir alguma doença raríssima, como é meu caso, que me descobri com penfigóide gestacional - uma doença que faz com que minha pele reconheça as proteínas da placenta como invasoras, o que gera feridas e coceira. Seu intestino também pode mudar. O meu, que sempre foi mais pra preso, soltou.E eu, que também nunca tive espinhas, fiquei com a cara cheia delas entre o quarto e o quinto mês. Sim, se você pensou que o problema eram as estrias, prepare-se para o pior - e torça pelo melhor. É o que dá pra fazer.

Alguns cuidados de beleza também serão abandonados. Se você tem o hábito de se depilar ou fazer a unha em casa, esqueça. Assim que a barriga começar a crescer, só no salão mesmo. É humanamente impossível depilar o que quer que seja com uma barriga te impedindo de ver seus pés. E se você é maníaca por arrumar a casa/hiperativa, esqueça também. No início, porque esforço demais pode causar um aborto. No final, porque o mesmo esforço pode levar a um parto pré maturo. Aliás, gravidez realmente não combina com gente hiperativa. Essa é uma fase na qual deveríamos ficar mais slow, leve. Na prática, a gente surta, porque o hormônios fazem com que tudo vire o céu ou o inferno. Não tem meio termo. Ou você quer matar o universo, ou sair dando abraços em desconhecidos na Av. Paulista. É tipo estar de TPM, só que durante 40 semanas.

Ah, os enjoos. Já disse que passei mal a gravidez inteira, até o momento. Mas só enjoei especificamente cheiro de arroz. Nisso, tive sorte. Tem mulher que enjoa o perfume preferido. Tem outras que enjoam do marido. Eu continuo apaixonada pelo meu marido e pelo meu perfume. Também não tive os tais desejos de grávidas. Sorte minha, porque uma conhecida que está grávida desejou comer feijoada com chiclete e se aventurou nessa combinação ~exótica~. Tem também as dores. Aparecem todos os tipos de dores e você nunca sabe quais são as normais e quais não são. Nesse caso, procure a internet, ela pode te ajudar muito.

Uma dúvida que me assolava era: como saberei identificar uma contração? É esquisito pra explicar, mas em resumo, bem, é como se sua barriga fossem sendo petrificada de cima pra baixo. Se vier acompanhada de dores e com periodicidade e aparecer antes das 34 semanas de gestação, bem, eu recomendo que você entre em contato urgente com sua obstetra. Mas há também as contrações falsas, que não possuem ridicularizadas e são como uma espécie de amistoso do corpo para a final. Um esquenta (desculpem, sei que metáforas futebolísticas não costumam combinar com o universo fofinho das mulheres, mas sou boleira). Ah, sim, o inchaço. Sim, seus pés ficarão gigantes e você, talvez, precisará de sapatos um número maior. E esqueça os saltos. Meia hora com eles poderão te render um dia inteiro deitada com dores nas costas.

Outra coisa que confunde muito quem é mãe de primeira viagem são as mexidas do bebê. Porque todo mundo fala que você se vai sentir o bebe chutar. Mas ninguém te conta que antes de chutar, você sentirá os movimentos dele em forma de bolhas na barriga. A sensação é mais ou menos como se colocassem um celular vibrando e fossem deslizando o celular pela barriga. São ondinhas de bolhas que você pode confundir facilmente com borbulhas ou formigamento. E é simplesmente seu bebezinho indo pra lá e pra cá, fazendo festa no apê útero.

Seu bebê também tem rotinas. Quanto mais o tempo passa, mas dará pra perceber. Tem horas que ele fica quietinho. Tem horas que ele fica super agitado e transforma seus órgãos internos num pula-pula. É uma delícia - até quando você acorda de madrugada com falta de ar por conta do boing-boing em cima da sua bexiga. Ainda não senti os famosos chutes na costela, que ocorrem quando o bebê já está encaixado e que deixam as mamães sem ar. Como minha pequena está sentada, ela chuta mesmo é o pé da minha barriga. Às vezes com tanta força que me assusto. Mas é lindo (juro que é lindo mesmo, não estou sendo irônica, eu tenho vontade de chorar às vezes de emoção).

E prepare-se pra ir muito, muito, muito ao banheiro. Porque você vai precisar beber muita água. E quanto mais beber, mais irá ao banheiro. No meu caso, brinco que vivo o ciclo água-azia-banheiro. Funciona assim: fico morrendo de sede. Vou e bebo água. Água me dá uma azia insuportável. Tomo malox. Fico com vontade de ir ao banheiro. Vou ao banheiro. Fico morrendo de sede. Volto pra água (repete umas 8x ao longo de 24h).

Enfim, espere muita coisa quando estiver esperando. Espere tudo e mais um pouco. Porque não é fácil. É lindo, é mágico, mas é só para as fortes (e ainda dizem que mulher é  sexo frágil). Meu conselho? Respira, inspira e não pira. Que no final compensa. E tente viver tudo isso por você mesma. Escute os outros, leia, informe-se. Mas confie no seu feeling materno. Pense por si própria. Tire suas próprias conclusões. E, entre uma azia e outra, divirta-se. E viva esse momento que é único, especial, maravilhoso e TENSO pra caramba. Tudo junto e misturado. Como você e o bebê que você carrega.


Nenhum comentário: