terça-feira, 11 de março de 2014

Sobrevivendo ao caos

Primeiro mês com bebê em casa é um caos. Pra algumas mulheres mais pra outras menos. Mas, no geral, vai ter sempre aquele dia que você para, olha pro seu filho e pensa: "Ainda bem que eu te amo tanto, porque, né?".

Ontem eu tinha que levar a Luísa ao pediatra e, depois, tirar meus pontos no consultório da obstetra. O papai já voltou ao trabalho e, dessa forma, escalei a vovó pra me acompanhar na saga "sair de casa com um recém nascido".

Tinha me programado pra sair às 11h, já que a consulta da Luísa era 12h e a minha, 13h30.
Só que, na madrugada de domingo pra ontem, Luísa resolveu dar show. Acordava chorando, eu dava o peito. Mamava dez minutos e apagava. Não adiantava paninho molhado, tirar roupa, nada. Capotava. Dali uma hora, acordava chorando. Ai dá eu enrolando ela pra dar, pelo menos, 2h de espaço entre uma mamada e outra, na esperança dela mamar mais e dormir mais. Que nada. Foi assim até 8h da manhã, com eu dormindo entre 20 e 30 minutos no máximo ao longo da noite. 

Como já eram 8h e minha assistente do lar chega às 8h30, resolvi esperar acordada, já que na última vez que a Luísa fez isso, eu e o Sérgio capotamos tão profundamente que ela chegou em casa, ficou meia hora tocando a campainha e foi embora porque a gente não escutou (!?!?!) nada. Mas... o filho da Cida ficou doente e... ela não veio! Esperei até 10h e nada. Nisso, Luísa acordou querendo peito e, como ficaríamos muito tempo na rua e não sabia se ia conseguir amamentar ela nesse período, lá fui eu dar de mamar, achando que ela ia mamar uns 20 minutos. O que? Ela resolveu emendar uma mamada de 40 que só terminou 11h. 

Nisso, eu, linda, descabelada, de camisola, corro pra me arrumar pra sair. Pus a primeira roupa fácil que achei no guarda roupa e prendi o cabelo, já que era a única coisa que dava pra fazer. Ai, aquele caos: pega bolsa, checa se tá tudo lá dentro, chama táxi, pega o bebê conforto, pega a pasta da maternidade pra levar pra médica. Acrescente ai a minha mãe dizendo que era preciso colocar uma coberta na criança (não sei porque avó quer encher a criança de luva, touca, meia e coberta num puta calor).

Nisso, lembrei que precisava parar no banco pra pegar cheques pra pagar minha médica. Pede pro taxista para, pede para o taxista pegar o caminho com menos trânsito porque, nisso, já eram 11h30. Mas, ufa, deu tempo! Consulta ok, tudo lindo, Luísa resolve chorar de fome. Ai, dou quinze minutos de peito, corro pra chamar um táxi. Nisso, eu to morrendo de fome. Resolvo pedir pro táxi me deixar no Shopping Paulista porque minha médica fica na rua de trás. Para, compra lanche e sai igual louca pelo meio do shopping com bebê no bebê conforto numa mão e o lanche na outra. E a minha mãe, que tava com minha bolsa e a dela, querendo levar o bebê conforto (o lanche ela não se ofereceu pra carregar, né? ahahahah). Ai, eu chego no consultório. Minha médica olha meus pontos, tira e senta comigo. Ela fala

- Núbia, calma. Eu sei que você tá cansada, exausta, mas fica tranquila que o primeiro mês passa. Parece que não tem fim, mas tem. Você vai ficar cansada, vai ficar deprimida, vai chorar. São os hormônios. Não se preocupa se ficar um pouco deprê. Parece que tá tudo um caos, mais vai dar tudo certo, viu? Eu escuto tudo e só penso: ok, dra. Karina, já entendi que estou com a cara mais de acabada do mundo.


Ainda bem que essa cara de anjo compensa tudo, né?

#muitoamor
#firstmonth
#cansadamasfeliz

Nenhum comentário: